Para Planalto, cerco a Lula se fecha ainda mais com fase da Lava Jato

28/01/2016 10:55

Marina Dias – Folha de S. Paulo

BRASÍLIA - Auxiliares da presidente Dilma Rousseff avaliam que a nova fase da Operação Lava Jato, deflagrada nesta quarta-feira (27), tem o objetivo de "desgastar" a imagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no momento em que o governo está "fragilizado" e "tenta encontrar saídas" para a crise política e econômica do país.

Publicamente, o ministro José Eduardo Cardozo afirmou, nesta quarta, que qualquer associação entre Lula e a nova fase da operação é "especulação indevida".

 

Contudo, segundo a Folha apurou, auxiliares de Dilma acreditam que "o cerco a Lula se fechou ainda mais" e isso é "preocupante" visto que o ex-presidente ainda é tido como o principal fiador do governo.

 

Apesar disso, a avaliação de ministros do núcleo mais próximo à presidente é que uma eventual prisão de Lula "não deve acontecer".

 

Segundo eles, o ex-presidente ainda tem respaldo da militância do PT e de diversos movimentos sociais, que iriam às ruas para defendê-lo caso isso acontecesse. Alguns, porém, não descartam que, caso o ex-presidente fique "totalmente desmoralizado", o cenário fique mais fácil para que ele seja preso.

 

Como mostrou a Folha, o ex-presidente Lula reforçou no início do ano sua equipe de defesa com a contratação do criminalista Nilo Batista. Nas palavras de aliados, a contratação do advogado se deu porque Lula "tomou consciência de que algo mais grave poderia acontecer".

 

Nesta quarta, foi deflagrada a 22ª fase da Lava Jato, operação que apura o esquema de corrupção na Petrobras, para investigar se a empreiteira OAS lavou dinheiro por meio de negócios imobiliários para favorecer o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, preso desde abril de 2015. Entre os imóveis investigados, está um tríplex no Guarujá que foi reservado a Lula.

 

Aliados do ex-presidente fazem coro ao discurso de que a operação é "uma tentativa politizada" de "desgastar" e "desmerecer" a imagem de Lula. Segundo eles, o petista tinha uma cota da Bancoop (Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo), pensou em comprar o apartamento –a mulher de Lula, Marisa Leticia, chegou a reformar e decorar o imóvel–, mas o ex-presidente desistiu do negócio.

 

O condomínio Solaris, onde fica o tríplex, teve a construção iniciada pela Bancoop, que foi presidida por Vaccari, mas, em crise financeira, a cooperativa transferiu o empreendimento para a OAS, em 2009.

 

Desistência do apartamento

Como revelou a Folha em dezembro de 2014, o ex-presidente cogitou, inclusive, desfazer-se do apartamento.

 

Segundo interlocutores, as repercussões negativas das reportagens sobre o imóvel à época fizeram com que Lula reavaliasse a efetivação da compra do apartamento, que continuava em nome da OAS.

 

O ex-presidente tinha a opção de pedir o ressarcimento dos valores pago à Bancoop ou poderia ficar com o apartamento e registrá-lo em seu nome –o que não fez até hoje.


 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!