Partido mantém um pé em cada canoa

18/11/2015 11:46

PMDB aumenta sua participação no governo, enquanto tenta se descolar para voo solo em 2018

 

Fernanda Krakovics - O Globo

 

Essa não é a primeira vez que o PMDB critica a política econômica de um governo do qual faz parte e ameaça desembarcar. O partido divulgou oficialmente ontem o documento “Uma ponte para o futuro”, na contramão do que vem sendo implementado pela presidente Dilma Rousseff.

 

Os peemedebistas fizeram o mesmo em março de 2004, no início da gestão Lula. O pano de fundo era a pressão por mais ministérios. Agora, o partido tenta o malabarismo de aumentar sua participação no governo, ao mesmo tempo em que deseja se descolar de uma administração impopular e preparar candidatura própria para 2018.

 

Um dos personagens centrais continua sendo o presidente do PMDB, Michel Temer, dessa vez com atuação pública mais discreta, devido ao cargo de vice-presidente da República. Há 11 anos, quando a Executiva Nacional do partido divulgou uma nota com críticas à política econômica, Temer foi um dos porta-vozes da ameaça de rompimento.


O texto “Uma ponte para o futuro” foi gestado quando um processo de impeachment contra Dilma parecia iminente, e Temer seria o beneficiário imediato. Esse clima político refluiu, e o PMDB amenizou o tom beligerante.

 

O ensaio de independência feito ontem acontece 46 dias depois de o partido ter conquistado o disputado Ministério da Saúde. É dessa contradição e da divisão interna entre governistas e oposicionistas que o PMDB tira sua força, ficando com um pé em cada canoa.