Partidos evitam candidaturas sem chances no interior

14/01/2016 13:17

- Valor Econômico

 

RIO - Apesar da crise econômica que afeta os governos estaduais e a maioria dos municípios, o PMDB do Rio de Janeiro trabalha para manter a força que já detém no interior. Terá candidatos a prefeitos em 68 municípios e apoiará partidos aliados em outros 24. Promete apoio para o PT em apenas dois municípios: Niterói, de Rodrigo Neves, e Maricá, do presidente estadual da sigla, Washington Quaquá.

 

Com a expectativa de menos recursos para a campanha - doações de empresas a candidatos estão proibidas - e de forte descrença dos eleitores, os outros partidos estão centrando esforços nos municípios onde têm chances reais de vitória contra a máquina do PMDB e de seus aliados, partidos como PP, PSC, PTB e PSD, que funcionam quase como linha de apoio aos pemedebistas no Estado.

 

O PT, que elegeu 10 prefeitos em 2012, perdeu três e agora vê a possibilidade de reeleição em três - Maricá, Niterói e Paracambi. Em Angra dos Reis, Quaquá acha que o partido não terá candidato. E diz, ainda, que prefere não se envolver em municípios como Miguel Pereira onde, afirma, o atual prefeito tem pouca identidade com o partido. "Prefiro ter gente de qualidade a número", diz Quaquá que é prefeito de Maricá. Ele aposta em uma eleição mais focada no histórico dos candidatos.

 

O PSOL, por sua vez, acredita na militância para tentar enfrentar a força pemedebista. Terá candidatura competitivas em quatro municípios - a capital, Friburgo, Niterói e Itaocara. A proposta é defender um projeto de governo mais participativo.

 

"Mesmo com a crise econômica e política, o PMDB ainda deve sair da eleição de 2016 como a força dominante do Estado. Em muitos municípios, mesmo onde o prefeito é de outro partido, como em Friburgo que é governado pela PSD, na verdade, a força é do PMDB", resume o deputado federal pelo PSOL, Glauber Braga. Ele deixou o PSB após o partido ter voltado a apoiar o PMDB.

 

Em todos os partidos, a avaliação é de que a campanha será difícil e não permitirá aventuras. "O ambiente está muito avesso a qualquer participação política e isso afeta quem está no governo e quem não está. Os prefeitos vão sofrer muito não apenas pela crise, mas também pelo desencontro com a sociedade. O eleitor vai avaliar a experiência de governo que o candidato tiver para mostrar", aposta o prefeito de Macaé, Aluízio dos Santos Júnior, que deixou o PV para reforçar a legenda do PMDB.

 

Segundo ele, muitos prefeitos vão desistir da disputa porque as dificuldades econômicas tornam a reeleição mais difícil. "Será uma eleição sem máquina, sem dinheiro. A força são as pessoas", completa.

 

O discurso do Dr. Aluízio, como é conhecido, está em linha com o do presidente do PMDB no Estado, Jorge Picciani, que atraiu para o partido outros nomes já bastante testados nas urnas.

 

"Nossos candidatos serão prefeitos, ex-prefeitos, deputados estaduais e federais. Todos têm experiência", completa Picciani, citando além do Dr. Aluízio, o deputado estadual Geraldo Pudim, com quem planeja impor mais uma derrota à família de Anthony Garotinho, agora em Campos.


 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!