Partidos repudiam declarações de Dilma

20/04/2016 13:06
Em nota, 14 partidos repudiaram o que chamaram de “triste espetáculo encenado pela presidente Dilma”. Disseram que ela tenta inverter sua posição de “autora de crime em vítima” ao chamar de golpe o processo de impeachment, chancelado pelo STF. Ontem, a petista repetiu o discurso para correspondentes estrangeiros.
Partidos criticam ‘tentativa de vitimização’
 
• Nota assinada por 14 legendas diz que presidente encena ‘triste espetáculo’
 
Júnia Gama - O Globo
 
-BRASÍLIA- Em resposta ao que considera uma tentativa de “vitimização” por parte da presidente Dilma Rousseff, o PMDB coordenou a divulgação ontem de nota de repúdio assinada por 14 partidos favoráveis ao impeachment. No texto, o grupo critica os questionamentos da presidente ao processo conduzido pela Câmara dos Deputados, no último domingo, e alega que ela procura inverter sua posição de “autora de crime em vítima”.
 
Segundo o texto, Dilma encenou “triste espetáculo” perante correspondentes da imprensa estrangeira, ao tentar “desqualificar a soberana decisão da Câmara” na autorização do processo.
 
“A Sra. presidente da República desconsidera que está sendo acusada de ter cometido um dos maiores crimes que podem ser praticados por uma mandatária, já que a vítima, no caso, é toda a nação. Para defender-se ela inverte sua posição de autora em vítima”, diz a nota, completando: “A vã tentativa de vitimização, sob a alegação de injustiça, não encontra amparo no relatório da comissão especial, na decisão do plenário da Câmara dos Deputados, nas decisões do STF, na realidade dos fatos e na soberana vontade da ampla maioria da população brasileira”.
 
O texto diz que a Casa obedeceu “fielmente” o regramento estabelecido pelo Supremo Tribunal Federal (STF), ao autorizar a abertura do processo da denúncia formulada contra ela por prática de crimes de responsabilidade “em razão da abertura de créditos suplementares sem a autorização do Congresso Nacional, bem como na contratação ilegal de operação de créditos, as chamadas pedaladas fiscais”. 
 
Supremo aprovou rito 
 “A Sra. presidente da República insistiu no erro de tachar de ‘ilegal’ e ‘golpista’ a ação dos senhores deputados, omitindo propositadamente que o rito do impeachment foi determinado pelo Supremo Tribunal Federal, nos julgamentos das inúmeras e frustradas tentativas de seu governo de impedir a atuação do Poder Legislativo. O impeachment foi chancelado pela Suprema Corte do Brasil”, diz a nota.
 
O grupo de partidos ressalta que o relatório que demonstra os crimes de responsabilidade foi aprovado pela “contundente” maioria de 367 votos e que, no Senado, a presidente terá, novamente, “amplo direito de defesa”.
 
A nota é assinada pelos presidentes de PMDB, PRB e PTN, respectivamente senador Romero Jucá (PMDB-RR), Marcos Pereira e Renata Abreu, e pelos líderes na Câmara de PSDB, PSD, PSB, DEM, PTB, Solidariedade, PSC, PPS, PV, PROS e PSL.