Petistas em fuga

26/09/2015 11:33

Petistas em fuga

Cristina Tardáguila, Cássio Bruno, Sílvia Amorim e Chico de Gois - O Globo

 

-RIO, SÃO PAULO e BRASÍLIA- Primeiro foi o escândalo do mensalão. Depois, o da Lava-Jato. Veio então o embate do ajuste fiscal, o Orçamento deficitário, o dólar a mais de R$4 e a dificuldade do governo federal de tirar o país da crise. Ao somar esses fatores ao calendário eleitoral — que determina que o político precisa estar filiado ao partido pelo qual pretende disputar uma eleição um ano antes do pleito —, o resultado que se verifica na última semana de setembro é um notável êxodo nos quadros do PT.

 

Na última quinta- feira, o deputado federal Alessandro Molon (RJ) anunciou que deixava a sigla, rumo à recém-criada Rede, de Marina Silva. O GLOBO apurou que devem segui-lo outros três deputados petistas: Assis do Couto (PR), Toninho Wandscheer (PR) e Weliton Prado (MG). Nenhum deles foi localizado para confirmar a informação. Prado já entrou com ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para se desfiliar sem perder o mandato. Também acaba de deixar o PT o empresário Jesus Rodrigues (PI), deputado federal na última legislatura. Ele ingressou no PSOL, pelo qual pretende disputar a prefeitura de Teresina.

No Senado, o cenário não deverá ser diferente. Em abril, Marta Suplicy anunciou que saía do partido e, hoje, em São Paulo, assina sua filiação ao PMDB. Paulo Paim (PT-RS) disse que até o fim do ano decide seu destino, afirmando que tem conversado com vários partidos para encontrar aquela que poderá a ser sua nova casa. Entre eles estão a Rede, o PDT, o PSB e o PV.

Os parlamentares têm alguns pontos em comum, apontam analistas. Eles estão preocupados em atender ao calendário do TSE para poderem concorrer nas eleições de 2016; em abandonar um partido cuja “marca está em crise”; e em se recolocar no espectro político, conquistando espaço que o PT não lhes daria. Molon e Marta, por exemplo, teriam pouquíssimas chances de disputar as prefeituras de Rio e São Paulo, respectivamente, se permanecessem na sigla.

Encolhimento com qualidade”

Se analisado o cenário do PT nos estados, o êxodo também ganha evidência. Em São Paulo, até ontem, a legenda havia contabilizado a saída de 12 de seus 68 prefeitos — 17% do total. A “fuga” aconteceu em cidades pequenas do interior como Jaú, Itupeva, Taquaritinga, Sales de Oliveira, Roseira, Piquete, Iracemápolis e Santa Branca. A direção do partido nega que esse movimento tenha a ver com desgaste. Diz que é um “processo que vem ocorrendo desde 2013”.


No Rio de Janeiro, três dos dez prefeitos eleitos em 2012 já haviam deixado o partido até ontem — uma retração de 30%. Dois deles — de São Pedro da Aldeia e de Paraty — alegaram desgaste político para se desfiliarem. O de São Sebastião do Alto, Mauro Henrique Chagas, foi expulso depois de preso pelo crime de improbidade administrativa.

Acho que quando um partido deixa de ter consonância com a sociedade é um bom motivo para sair — diz o prefeito de Itupeva (SP), Ricardo Bocalon, militante do PT desde 1989, e que se filiou ao PSB de olho na reeleição. — Eu gostaria que o partido pudesse ser renovado e fizesse uma reflexão sobre tudo que vem acontecendo. Mas não fez, e, por isso, não dá mais para ficar.

Para o presidente do PT no Rio, Washington Quaquá, o esvaziamento da sigla não é de todo ruim.

 

Estou rezando ao Papa Francisco para que saia mais gente — disse ele ontem. — O PT tem que encolher com qualidade, com gente qualificada e compromisso com as causas populares.

 

As ameaças de defecção também pairam sobre o PT no Paraná. Na semana passada, o presidente nacional da sigla, Rui Falcão, foi ao estado para tentar debelar a onda de desfiliações. Reuniu-se com 11 prefeitos e diz que, pelo relatório feito pelo deputado Enio Ferri, presidente do partido no Paraná, foi “parcialmente bem-sucedido”.

 

Dos 11, 7 ou 8 parece que tomaram a decisão de permanecer — afirmou Falcão.

 

Tanto para o cientista político e professor do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper) Carlos Melo como para o professor de Ciência Política da Unirio Felipe Borba, a marca PT tem um problema. Melo diz que ela está “queimada no mercado”. Borba, que “já não é tão forte”.

 

Não são só o mensalão, a Lava-Jato e a pecha da corrupção. Agora tem a crise econômica e a sensação de que o PT não é um bom gestor. Trata-se de uma marca que enfraqueceu — afirma Borba. ( Colaborou Sérgio Roxo)


 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!