Planalto participa de operação pró-Cunha no Conselho de Ética

20/11/2015 08:23

Líderes relatam que ministro pediu que petistas se ausentassem; Jaques Wagner nega

Por Simone Iglesias – O Globo

 

BRASÍLIA - Partiu de dentro do Palácio do Planalto um pedido para que os três deputados do PT com assento no Conselho de Ética se ausentassem da reunião desta quinta-feira do órgão, ajudando na operação de salvamento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, reuniu-se com um grupo de líderes da base na noite de quarta-feira, em seu gabinete, para negociar o apoio do governo a Cunha, entre eles, Sibá Machado (PT-AC), Maurício Quintella Lessa (PR-AL), André Moura (PSC-SE), e Jovair Arantes (PTB-GO).

 

Durante a reunião, Wagner telefonou aos deputados Léo de Brito (AC), Zé Geraldo (PA), e Valmir Prascidelli (SP), pedindo que não comparecessem a sessão no dia seguinte. Brito viajou para o Acre, mas Zé Geraldo e Prascidelli se recusaram a faltar ao conselho, alegando serem publicamente favoráveis à cassação de Cunha. No entanto, aceitaram a contraproposta feita pelo ministro de somente comparecerem se houvesse quorum, o que acabou ocorrendo.


Segundo relato de um dos participantes ao GLOBO, a reunião ocorreu no palácio por volta das 22h. Os líderes defenderam junto a Wagner o apoio a uma pena alternativa a Cunha. Em vez da cassação, a suspensão temporária do exercício do mandato. Com isso, o peemedebista ficaria impedido de presidir a Câmara, relatar projetos, entre outras funções burocráticas, por um prazo de até seis meses, segundo o artigo 14 do Código de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara.

 

Essa punição tem que ser aprovada no Conselho de Ética e depois passar pela aprovação do plenário. Se os deputados, em plenário, votarem contra, estarão livrando Cunha de qualquer outra punição. Vão ficar entre a cruz e a espada e ele fica no lucro — explicou um parlamentar envolvido nas negociações ao GLOBO.

 

O ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, entrou em contato para refutar a informação. Ele diz que não ligou para nenhum deputado do PT com assento no Conselho de Ética para pedir que se ausentassem da reunião e disse por meio de nota que se reuniu com os líderes da base às 18h para tratar da votação dos vetos. Wagner afirmou ter saído do Planalto às 21h30:

 

Não liguei para ninguém. Não é verdade. Conversei com líderes do governo sobre votações de vetos— disse Wagner por meio de sua assessoria.

 

O GLOBO conversou na tarde desta quinta-feira com dois líderes da base, um deles, presente à reunião, que confirmaram o teor da conversa no palácio sobre a situação de Eduardo Cunha.

 

Com a posição já antecipada de Zé Geraldo e Prascideli, aliados de Cunha sugeriram que o PT peça a renúncia dos representantes do partido no Conselho para que sejam indicados nomes mais ligados ao governo e que aceitem apoiar Cunha. A proposta gerou reação imediata entre os parlamentares petistas. Na próxima terça-feira, a bancada se reúne para que haja uma manifestação formal da maioria a favor da cassação de Cunha e contra as pressões e manobras que seu grupo vem fazendo junto aos partidos.

 

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!