Três vezes escárnio| Pablo Ortellado

12/08/2017 09:00
Três vezes escárnio| Pablo Ortellado
 Folha de S. Paulo
 
1. Temer deixou a imprensa saber que estudava duas boas medidas tributárias: a taxação dos lucros e dividendos dos empresários que hoje não pagam imposto e a criação de uma nova faixa do Imposto de Renda para quem recebe muito. Essas medidas praticamente não afetariam os trabalhadores e a classe média e finalmente trariam justiça na divisão da fatura da crise, que está sendo paga pelos mais pobres, com duros cortes na assistência social e nos serviços públicos. Por acaso ou não, a alíquota anunciada de 35% é a mesma de um boato infame que circula na internet sobre um aumento que seria dado a quem hoje paga 27,5%. A medida foi desenhada para causar alvoroço. Além dos cínicos empresários que querem seguir sem pagar impostos e dos inocentes úteis que acharam que a medida era para eles, a proposta foi criticada pelos sindicatos com a mesma má-fé oportunista dos liberais que votaram as pautas bombas no ocaso do governo Dilma. Temer anunciou o engavetamento da proposta com um pedido de aplausos para si mesmo.
 
2. A comissão da reforma política apresentou uma nova versão do texto que implementa o distritão como regra de transição e cria um enorme fundo público para ser usado em campanhas eleitorais. A proposta vai no sentido contrário dos instrumentos de renovação necessários para enfrentar a crise política: recall, prévias nos partidos, candidaturas cidadãs e campanhas com valores baixos. As mudanças farão com que os partidos reduzam o número de candidatos e passem a dispor de um enorme fundo público para as campanhas, diminuindo a concorrência de outsiders. O objetivo não disfarçado é garantir que os atuais políticos se reelejam, mantenham o foro privilegiado e escapem da Justiça. A regra vale até 2022, quando os parlamentares esperam que a Lava Jato tenha morrido, de morte morrida ou de morte matada.
 
3. Um emissário do presidente foi filmado recebendo uma mala de dinheiro, um pagamento semanal de meio milhão em troca de uma decisão do Cade. Representantes do governo foram flagrados durante a sessão plenária trocando emendas parlamentares por votos contra a denúncia. Também por votos, ruralistas foram agraciados com um perdão de dívidas bilionário enquanto os hospitais seguem sem recursos para atender pacientes. A votação da denúncia ainda foi transmitida pela TV, com voto nominal, sem que tenha havido protestos, à esquerda ou à direita.
 
Nossa constrangedora passividade está trazendo de volta o sono tranquilo dos políticos e dos empresários. Eles acreditam que o pior já passou e que, em breve, tudo voltará a ser como antes, isto é, antes dos protestos e antes da Lava Jato.
 
_______________
É professor do curso de Gestão de Políticas Públicas da USP desde 2005. Fez graduação, mestrado e doutorado em filosofia na mesma
 
 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!