Presidente Temer afirma que sabe tratar com bandidos

25/05/2016 15:42
Temer afirma que sabe tratar com ‘bandidos’
• Após vazamento de áudio de aliado sugerindo barrar a Lava Jato, presidente em exercício reafirma apoio à operação e dá tapa em mesa ao rebater críticas à sua gestão
 
Tânia Monteiro, Carla Araújo e Erich Decat - O Estado de S. Paulo
 
BRASÍLIA - O presidente em exercício Michel Temer rebateu ontem as críticas ao início de sua gestão e procurou demonstrar firmeza no comando. Um dia após o senador Romero Jucá (PMDB-RR) ter deixado o Ministério do Planejamento sob suspeita de tramar contra a Operação Lava Jato, Temer disse que não é “frágil” nem “coitadinho” e que tinha em experiência em tratar com “bandidos”.
 
 
“Já ouvi dizer que Temer está muito frágil, coitadinho, que não sabe governar. Conversa”, afirmou Temer. Nesse instante, ele bateu com força na mesa com a mão espalmada. “Eu fui secretário de Segurança em São Paulo por duas vezes e tratava com bandidos. Eu sei o que fazer no governo e saberei conduzir”, disse, em reunião no Palácio do Planalto com líderes de partidos aliados para explicar as medidas econômicas anunciadas ontem.
 
Sobre as idas e vindas de sua gestão, como recriação do Ministério da Cultura, Temer disse: “As pessoas têm mania de achar que quem está no governo não pode voltar atrás. Nós somos como JK (Juscelino Kubitschek). Nós não temos compromisso com o equívoco. Se houver um equívoco, nós reveremos”.
 
Lava Jato. Temer declarou ontem que “não está em busca de eliminar qualquer investigação apuratória” em curso e disse que seu governo não vai trabalhar para barrar o avanço da Lava Jato. Feitas um dia depois da saída de seu fiel aliado Romero Jucá do Planejamento, as declarações foram entendidas na Esplanada dos Ministérios como um recado a outros ministros que são alvo da operação.
 
Temer, sob pressão da oposição, enfatizou em sua fala, sem citar diretamente a Lava Jato, que o seu governo não vai impedir as investigações. Segundo o presidente em exercício, “por mais que digam que há um esquema” para impedir as investigações, o governo vai sempre incentivá-las. “Não queremos isso, não (barrar as investigações). Ninguém quer”, afirmou.
 
Jucá foi afastado do Planejamento após o vazamento da gravação de uma conversa dele com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, na qual ele diz ser preciso “estancar a sangria” provocada pela operação.
 
Turismo. Com receio da ampliação dos desgastes do governo com os desdobramentos da Lava Jato, o presidente em exercício e o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, fizeram chegar ao ministro Henrique Eduardo Alves (Turismo) a possibilidade de ele deixar o cargo.
 
Alves foi citado por delatores do esquema de desvios e de corrupção na Petrobrás e em mensagens de celular de Léo Pinheiro, da OAS. A exemplo de Jucá, ele também é um aliado direto de Temer. O receio de integrantes do núcleo duro do Palácio do Planalto é ter que passar por novos “bombardeios” e “constrangimentos” como o ocorrido no episódio da demissão de Jucá.
 
Segundo o Estado apurou, a conversa entre Temer, Padilha e Alves ocorreu anteontem, no mesmo dia em que Jucá foi afastado do cargo, após o surgimento de gravações realizadas pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado.
 
No áudio, revelado pelo jornal Folha de S.Paulo, Jucá diz ao ex-dirigente que é preciso “mudar o governo (Dilma Rousseff) para poder estancar essa sangria”. Ao ser abordado por Temer e Padilha, Henrique Alves minimizou as citações feitas contra ele nas investigações e ressaltou que não era réu e por isso gostaria de ficar no cargo. O ministro, que ocupou a mesma cadeira no governo Dilma, teve a casa vasculhada pela Polícia Federal em dezembro do ano passado em uma das fases da Lava Jato, batizada de Catilinárias. Caso ele deixe a equipe ministerial, deverá perder o foro privilegiado, uma vez que não detêm mandato eletivo.
 
 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!