Proposta de nova CPMF prevê alíquota de 0,38%; recriação é criticada

28/08/2015 01:56

Proposta de nova CPMF prevê alíquota de 0,38%; recriação é criticada

Folha Press

A proposta de resgate CPMF encaminhada pela equipe econômica ao Palácio do Planalto prevê uma alíquota de 0,38% do chamado "imposto do cheque". 

A presidente Dilma Rousseff está neste momento analisando a conveniência de se propor a medida de elevação de tributo após o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmar quinta-feira (27) que a proposta de elevação de tributos será "um tiro no pé". 

Organizações ligadas ao comércio e à indústria também criticaram a possibilidade, chamando-a de "loucura", "retrocesso" e "absurdo". O ministro da Secom, Edinho Silva, também porta-voz do governo, foi chamado no Palácio da Alvorada. 

A medida é considerada crucial para reequilibrar as contas públicas em um cenário de fraca arredarão decorrente da desaceleração da economia. A alíquota apresentada ao Palácio é a mesma que vigorou até 2007, quando a CPMF foi suspensa pelo Legislativo. 

A volta da CPMF foi descartada no primeiro semestre deste ano após o ministro da Saúde, Arthur Chioro, defender uma fonte adicional de recursos para financiar a saúde pública. 

 

RESISTÊNCIA 

Para Renan Calheiros, a criação de um imposto no momento de retração da economia só irá piorar o cenário da crise econômica e, por isso, é um "tiro no pé". 

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), também criticou a volta da CPMF e disse que o Planalto enfrentará um desgaste desnecessário caso envie esse projeto ao Congresso. 

Organizações ligadas à indústria e ao comércio se posicionaram no mesmo sentido. O presidente da CNI (Confederação Nacional da Indústria), Robson Andrade, disse à reportagem classificar a possível medida como "um absurdo". 

"Mais um imposto para a sociedade pagar, enquanto o caminho ideal seria o governo promover uma redução de gastos públicos para deixar a economia se recuperar", afirmou Andrade ao tomar conhecimento da proposta do governo para fechar o Orçamento da União de 2016. 

 

Para a FecomercioSP (Federação do Comércio do Estado de São Paulo), a volta do tributo vai onerar as empresas em um momento difícil da economia, com inflação e desemprego em alta e elevada taxa de juros. "É um total retrocesso na economia do país", disse Kelly Carvalho, assessora econômica da entidade. 

 Na avaliação de Carvalho, o governo estuda aumentar a carga tributária para cobrir despesas da má administração pública. "Os gastos do governo é que devem ser reduzidos e melhor administrados, enxugando a máquina pública", disse. 

 A FecomercioSP foi uma das entidades a brigar pela extinção da contribuição, conhecida como o "imposto do cheque", em 2007. 

 O presidente da CNS (Confederação Nacional de Serviços), Luigi Nese, disse que "é uma loucura criar novo imposto no Brasil em um momento de crise e fragilidade das empresas".

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!