Que as portas das igrejas não sejam blindadas

18/11/2015 20:39

Audiência: portas das igrejas não sejam blindadas

Cidade do Vaticano (RV) – Quarta-feira é dia de Audiência Geral no Vaticano. Cerca de 15 mil pessoas estiveram na Praça S. Pedro para ouvir a catequese do Papa Francisco, que neste dia 18 de novembro foi dedicada à Misericórdia de Deus, no limiar do Jubileu Extraordinário.

A imagem utilizada pelo Pontífice para falar da misericórdia foi a da porta do Senhor, sempre generosamente aberta para acolher o nosso arrependimento. Portas abertas 

Do Sínodo dos Bispos, recordou o Papa, todas as famílias receberam um grande encorajamento a encontrar-se na entrada desta porta aberta. “A Igreja foi encorajada a abrir as suas portas para sair, com o Senhor, ao encontro dos filhos e filhas em caminho, às vezes incertos, às vezes perdidos, nesses tempos difíceis”, disse e exortou:

Se a porta da misericórdia de Deus está sempre aberta, também as portas de nossas igrejas, de nossas paróquias e dioceses devem estar sempre abertas. Assim todos podemos sair e levar esta misericórdia de Deus. O Jubileu significa a grande porta da misericórdia de Deus, mas também as pequenas portas das nossas igrejas abertas para deixar o Senhor entrar ou muitas vezes deixar o Senhor sair de nossas estruturas, de nosso egoísmo.”

 

Portas blindadas

 

O Papa citou alguns lugares no mundo onde nunca se fecham as portas à chave, mas também de tantos outros onde se tornou normal ter as portas blindadas. “Embora compreensível, não deixa de ser um mau sinal!”, afirmou. Não devemos render-nos à ideia de aplicar este sistema à vida da família, da cidade, da sociedade e, menos ainda, à vida da Igreja.

 

Uma Igreja sem hospitalidade, assim como uma família fechada em si mesma, mortifica o Evangelho e desertifica o mundo. Nada de portas blindadas na Igreja! Tudo aberto!”

 

Francisco prosseguiu afirmando que a porta deve proteger, mas não refutar. A porta não deve ser forçada; pelo contrário, pede-se permissão para que a hospitalidade resplandeça. Todavia, muitas pessoas perderam inclusive a coragem de bater à porta.

Quantas pessoas perderam a confiança, não tem a coragem de bater à porta do nosso coração cristão, às portas das nossas igrejas. Tiramos a confiança. Por favor, que isso jamais aconteça.” E o Papa agradeceu a todos os porteiros e porteiras que protegem casas, condomínios e igrejas.

 

Jesus é a Porta

Jesus, explicou o Pontífice, é a porta que nos faz entrar e sair. “Porque o ovil de Deus não é uma prisão, mas um refúgio.” Mas diante da porta, está o guardião, que ouve a voz de Jesus, então abre e faz entrar todas as ovelhas que Ele traz.

Não é o guardião que escolhe as ovelhas, mas o bom Pastor. Não é o secretário ou a secretária da paróquia que decide quem entrar. A Igreja é a porteira da casa do Senhor, não a patroa”, recordou. Assim deve ser reconhecida a Igreja por toda a terra: como a guardiã de um Deus que bate à porta, como a recepcionista de um Deus que não fecha a porta com a desculpa de que não somos de casa.

 

Francisco concluiu com um pedido:

 

Que as famílias cristãs façam de seu limiar de casa um pequeno grande sinal da Porta da misericórdia e do acolhimento de Deus. Com este espírito, estamos próximos ao Jubileu. Haverá a Porta Santa, mas há a porta da misericórdia de Deus. E que haja também a porta do nosso coração para receber o perdão de Deus ou dar o nosso perdão e acolher todos os que batem à nossa porta.”

 

Infância

Depois da catequese, o Pontífice recordou o Dia Mundial dos Direitos da Infância, celebrado em 20 de novembro.

É um dever de todos proteger as crianças e antepor o bem delas a qualquer outro critério, para que jamais sejam submetidas a formas de escravidão e maus-tratos. Faço votos de que a comunidade internacional possa vigiar atentamente sobre as condições de vida dos menores, especialmente onde são expostos a recrutamento por parte de grupos armados; assim como possa ajudar as famílias a garantir a cada menino e menina o direito à escola e à educação.”

 

Clausura

Francisco lembrou ainda a celebração, no dia 21, da Jornada Pro Orantibus, no dia em que a Igreja recorda a apresentação de Maria ao Templo.

Que não falte a nossa proximidade espiritual e material para que as comunidades de clausura possam realizar sua importante missão, na oração e no silêncio operoso.”

 

Brasileiros

Saudando os fiéis de língua portuguesa, o Papa manifestou seu afeto em especial aos brasileiros de Belém, João Pessoa, Olinda e Recife presentes na Praça.

 

 

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!