Renan se queixou por não ter recebido propina, diz delator

13/01/2016 16:11

Senador nega participação em reuniões citadas por ex-diretor da Petrobras


Eduardo Bresciani e André de Souza - O Globo

 

-BRASÍLIA- O ex-diretor da Petrobras e da BR Distribuidora Nestor Cerveró relatou aos investigadores da Operação Lava-Jato ao menos três encontros em que teria tratado diretamente com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), sobre o pagamento de propinas. Cerveró afirmou que, em 2012, o senador lhe informou que retiraria o apoio político a seu nome em represália pela falta do pagamento. O senador nega ter participado das reuniões.

 

A reunião de 2012, de acordo com o relato, ocorreu no gabinete do próprio senador em Brasília. Renan teria reclamado da falta de pagamento e informado a retirada do apoio.

 

Diz Cerveró num trecho do depoimento: “que em 2012 o declarante foi chamado ao gabinete de Renan Calheiros no Senado Federal; que na ocasião Renan Calheiros reclamou da falta de repasse de propina por parte do declarante; que o declarante explicou que não estava arrecadando propina na BR Distribuidora; que, então, Renan Calheiros, disse que a partir de então deixava de prestar apoio político ao declarante”.

 

O ex-diretor ressalta que mesmo sem o apoio continuou no cargo até março de 2014.

 

Ele contou aos investigadores que, em 2009, o presidente do Senado participou de uma reunião no hotel Copacabana Palace na qual o então presidente da BR Distribuidora, José de Lima Andrade Neto, foi “bastante didático” explicando em quais áreas da empresa seria possível arrecadar mais propina. Segundo o relato, também estavam nessa reunião o senador Delcídio Amaral (PTMS), que está preso, e Pedro Paulo Leoni Ramos, ex-ministro e apontado como representante do senador Fernando Collor (PTB-AL).

 

Que nessa reunião José de Lima Andrade Neto foi bastante didático ao explicar que os negócios nos quais haveria ‘discricionariedade’ da BR Distribuidora eram a compra de álcool, o aluguel de caminhões para transporte de combustível e a construção de bases de distribuição de combustíveis; que esses seriam os negócios que poderiam render propina mais substancial na BR Distribuidora”, registrou o ex-diretor aos investigadores.

 

Cerveró relatou ainda que, em 2010, foi chamado por Renan para outra conversa em Brasília, na qual o agora presidente do Senado reclamou da liberação de R$ 50 milhões para uma usina do exdeputado João Lyra (PSD-AL). Cerveró explicou que o dinheiro não foi liberado pela BR Distribuidora, e sim por empréstimo do Banco do Brasil, presidido por Adelmir Bendine (atual presidente da Petrobras). Renan, então, segundo sua versão, insinuou que os recursos estariam abastecendo o caixa de campanha de Collor, que disputou o governo de Alagoas naquele ano. “Que o declarante explicou que o Banco do Brasil havia concedido o financiamento; Que Renan Calheiros afirmou: “Ah, agora eu entendi, então é por isso que a campanha do Collor está deslanchando”, disse Cerveró, segundo o extrato do depoimento.


O Banco do Brasil afirmou, por meio de nota, “que não aprovou qualquer operação de crédito para a usina citada em 2010 ou nos anos seguintes” e “que analisa todas as operações de crédito de acordo com critérios técnicos. Em nota, a Petrobras, presidida por Bendine, negou irregularidades em sua atuação no BB:

 

Todas as propostas apresentadas por clientes ao Banco do Brasil sempre têm tratamento absolutamente técnico, seguindo as diretrizes corporativas da instituição financeira. Uma destas normas prevê que todas as operações financeiras precisam ser apresentadas através da agência de origem para serem avaliadas e aprovadas de maneira colegiada pelas áreas competentes do banco. Aldemir Bendine desconhece a operação de crédito mencionada”.

 

Acerto geral” em Hotel no Leme

Em nota, Renan nega as acusações de Cerveró e ter participado das reuniões citadas. “O senador nega as imputações e esclarece que já prestou as informações requeridas, mas está à disposição para quaisquer novos esclarecimentos. O senador nega ter participado das reuniões mencionadas”.

 

O ex-diretor contou ainda que entre 2010 e 2013 tinha reuniões periódicas com Pedro Paulo Leoni Ramos e o senador Delcídio Amaral para tratar do recebimento de propina. Disse ainda que depois das eleições de 2010 houve uma reunião de “acerto geral” no Hotel Leme Palace, no Rio. Além dele próprio e outros diretores da BR Distribuidora, participaram daquela reunião Delcídio, Pedro Paulo e o ex-deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP). Foi nesta reunião que passou a ser o responsável por arrecadar a propina destinada a Renan.