Ressaca dos protestos

18/08/2015 19:31

Míriam Leitão - Ressaca dos protestos

- O Globo

Ninguém sensato ignora 800 mil pessoas nas ruas, em um domingo, protestando no meio de uma crise desta dimensão e contra uma presidente que tem um índice tão alto de rejeição. O governo pode fazer cara de paisagem e divulgar avaliação de que não foi tão ruim quando se temia, mas foi ruim o suficiente para um governo fraco, com a base esfacelada, e uma economia em recessão.

Os protestos tiveram mais foco. Foram contra o governo Dilma, o PT, Lula, e a favor da Lava-Jato. A figura central do apoio não é um político, ou partido de oposição, mas sim um juiz de primeira instância que tem assombrado o Brasil com a firmeza dos seus despachos, sentenças e palavras. Tudo isso tem que estar no radar de análise do governo e da oposição.

É a terceira vez que os brasileiros vão às ruas em cinco meses e isso não é trivial. Achar que só seria importante se o número fosse maior do que o da manifestação de março é uma forma aritmética de avaliar o que já está evidente. Antes, só o PT era capaz de levar multidões para as manifestações. Em junho de 2013, foi uma explosão impressionante que revelou o início de um novo momento. Ainda assim, o eleitor deu mais uma chance para a presidente Dilma e o PT.

Desde a eleição, a crise apareceu em toda a sua dimensão. Ela fora em grande parte escondida por razões eleitorais. De lá para cá, aumentaram também as revelações da Lava-Jato. O que era uma insatisfação difusa no primeiro ato, de março, contra o desconforto econômico, o tarifaço da energia, as mentiras da campanha, ficou mais focado, desta vez. A palavra impeachment apareceu de forma mais frequente, e o apoio à maior operação anticorrupção do país, também.

Será fatal se o governo subestimar os eventos do último domingo achando que são apenas manifestações de eleitores identificados com os candidatos que perderam as eleições. As pesquisas de opinião, e qualquer conversa de rua, demonstram que os eleitores de Dilma estão, em sua maioria, decepcionados com a presidente, por estar fazendo o que acusou os adversários de planejarem. Além disso, como todo o país, os eleitores da presidente estão sentindo a inflação, que subiu rapidamente este ano, e a recessão, que se aprofundou.

A mistura é explosiva: decepção, desconforto econômico e rejeição. E esse quadro ficou mais nítido depois de domingo, porque se disseminou pelo país em protestos que alcançaram 205 cidades. Numa democracia, é normal pessoas discordaram, mas também numa democracia é natural que o governo ouça as ruas, entenda o recado, faça algo a respeito. Não basta a presidente dizer que jamais renunciará, e que sua história de vida é de aguentar pressão. A imensa maioria do país acha que o governo é ruim ou péssimo e apenas um número muito ralo permanece apoiando Dilma. Um apoio tão fraco aumenta a fragmentação e a infidelidade da base parlamentar e produz esse excesso de ruídos que o país tem visto entre o governo e os partidos que participam da coalizão oficial.

Reler agora as páginas da sabatina dos colunistas deste jornal com a então candidata Dilma Rousseff dá uma ideia de como os fatos estavam sendo escamoteados. Dilma fugiu da pergunta sobre como iria enfrentar a inflação e a estagnação falando em números negativos nos Estados Unidos e na Alemanha. Os dois países estão crescendo este ano, principalmente os EUA, e o Brasil está com queda do PIB. Perguntada sobre preços de gasolina e energia, ela negou defasagem na energia elétrica, disse que a gasolina não seguiria preço internacional. Sobre Petrobras e corrupção, ela também encontrou palavras para não responder. Ao falar dos problemas da coalizão, aproveitou para dizer que a proposta de Marina de “governar com os bons” significava prescindir de partidos, o que nos levaria à ditadura. Dilma seguiu um roteiro de como escapar das perguntas e dizer meias verdades.

Governar é enfrentar a hora da verdade. A situação econômica piorou, e não por eventuais problemas externos, a energia, a gasolina e os juros subiram, a crise política ficou aguda, e a investigação contra a corrupção revelou as ligações perigosas do PT e do governo. Para sair desta situação, Dilma precisará ter uma estratégia, o que ainda não demonstra ter.

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!