Ricardo Noblat: Caiu a máscara de Lula

15/02/2016 13:39

- O Globo

Converso sistematicamente com o presidente Lula. Acho que ele está sendo objeto de grande injustiça” Dilma Rousseff

 

Sabe qual é a surpresa que nos reserva a defesa de Lula no caso do sítio de Atibaia, reformado gentilmente para ele pelas construtoras OAS e Odebrecht, ambas envolvidas na roubalheira da Petrobras? Fernando Bittar, um dos supostos donos do sítio, dirá que o sítio de fato lhe pertence, e também ao empresário Jonas Suassuna, sócio em outro negócio de Fábio Luiz, filho mais velho de Lula.

 

SURPRESA HAVERIA se Fernando dissesse que o sítio é de Lula, e que ele e Jonas não passam de “laranjas”. A Lava- Jato e o Ministério Público de São Paulo investigam se o registro de propriedade do sítio em nome de Fernando e de Jonas foi uma manobra de Lula para ocultar patrimônio. É isso o que parece, sugerem a lógica mais elementar e os indícios reunidos até aqui.

 

Oficialmente, o sítio foi comprado por Fernando e Jonas dois meses antes de Lula transferir para Dilma a faixa presidencial. Um dos advogados de Lula analisou a escritura registrada em cartório. Parte dos bens acumulados por Lula enquanto governou o país foi entregue no sítio em no dia oito de janeiro de 2011. Eram cerca de 200 caixas, entre elas 37 com bebidas.

 

José Carlos Bumlai, amigo de Lula, hoje preso pela Lava- Jato, cuidou da reforma do sítio. Que começou a ser feita quando o sítio foi comprado no final de 2010? Não. Começou muitos meses antes. Marisa, mulher de Lula, visitou a obra. Reclamou de atrasos. E foi aí que entraram em cena as construtoras amigas do seu marido. Elas gastaram um bom dinheiro com a reforma.

 

Por que gastariam se o sítio fosse apenas de Fernando e Jonas? Para que Lula, mais tarde, o recomprasse sem que ninguém soubesse que ele fora reformado de graça por construtoras premiadas com contratos milionários durante os seus dois governos? Ou por que a OAS e a Odebrecht, comovidas com a pregação do Papa Francisco, decidiram, meio que de repente, fazer caridade?

 

Ao longo dos últimos quatro anos, seguranças de Lula estiveram no sítio 111 vezes pelo menos. Razoável imaginar que acompanhassem a família Lula da Silva. Amigos do clã, assíduos frequentadores do sítio, surpreenderam- se com a descoberta de que ele está em nomes de terceiros. Nada de mais que Lula comprasse um sítio ou até mais de um. Não lhe falta dinheiro.

 

Presidente da República tem todas as suas despesas pagas pelo governo. Lula economizou dinheiro capaz de justificar a compra do sítio e do tríplex no Guarujá, esse também reformado de graça pela OAS. Ninguém teria nada a ver com isso. O problema? De volta ao futuro: a gentileza de construtoras clientes do governo em beneficiar imóveis de um ex- presidente. Cheira mal. Aí tem...

 

Como Lula, logo Lula que denunciou a existência de 300 picaretas no Congresso, chamou Sarney e Collor de ladrões, subiu a rampa do Palácio do Planalto como se fosse o mais imaculado dos políticos, diz- se a alma mais honesta do país; como ele poderá admitir que pediu ou aceitou favores de construtoras, e que foi promíscuo, sim, ao misturar o público com o privado? Logo ele? Também Lula?

 

Pois é disso que se trata – por enquanto. Seus correligionários querem transformá- lo em vítima de um complô urdido para destruir a maior liderança popular que o país jamais teve. Ora, faça- me o favor... Lula é uma vítima dos seus próprios erros, de sua ambição desmedida, de sua vaidade, e de sua falta de compromisso com princípios e valores. A máscara dele caiu.

 

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!