Roberto Freire: O colapso da economia brasileira

14/01/2016 13:29

- Blog Noblat / O Globo

Se os brasileiros já sofreram em 2015 as consequências do desastre econômico produzido pelo governo do PT, a perspectiva para o ano que se inicia, infelizmente, não é das melhores. Mais uma vez, o país se vê mergulhado em um cenário sombrio que aponta para o agravamento da crise nos próximos meses, o que dá a medida do tamanho do estrago gerado pela irresponsabilidade do lulopetismo nos últimos 13 anos. A fatura pela incompetência de Lula e Dilma Rousseff na condução da política econômica continua a ser paga e é muito alta, levando desesperança e apreensão às famílias de norte a sul do país.

 

Até mesmo a ascensão da festejada “nova classe C” parece estar comprometida diante do empobrecimento contínuo da sociedade brasileira, com aumento do desemprego e queda da renda. Segundo um estudo da economista Ana Maria Barufi, do Bradesco, com base em dados do IBGE, quase 4 milhões de brasileiros foram tecnicamente rebaixados para as classes D e E entre janeiro e novembro do ano passado. A participação da classe C na pirâmide social registrou uma queda de dois pontos percentuais, recuando de 56,6% para 54,6% no período.

 

É importante destacar que esse critério para a definição das classes sociais do Brasil é discutível. Temos uma noção mais exata sobre a dramática situação do país quando observamos o ranking do Índice de Desenvolvimento Humano, que leva em conta indicadores como expectativa de vida, renda e tempo de escolaridade. Nesta lista, ocupamos o calamitoso 75º lugar entre 188 nações e territórios reconhecidos pela ONU, atrás de Sri Lanka, México, Uruguai, Venezuela e Cuba.

 

A escalada da inflação, que compromete o orçamento doméstico especialmente com gastos básicos como alimentação e transporte, é um dos agravantes que levam a esse declínio social. O IPCA terminou o ano de 2015 em 10,67%, maior índice inflacionário desde 2002, impulsionado pelo aumento de 12% do grupo de alimentação e bebidas. Outro dado estarrecedor é o recuo na produção industrial: 2,4% em novembro do ano passado em relação ao mês anterior e 12,4% se compararmos com o mesmo período de 2014 – a maior queda anual da série histórica do IBGE, iniciada em 2003.

 

Por onde quer que se olhe, é nítido que a economia brasileira chegou ao fundo do poço sob o comando do PT. A consequência inevitável e desastrosa é o desemprego, que atinge de forma devastadora o trabalhador, a classe operária, os mais pobres. A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), maior empresa do setor no país e na América Latina, já anunciou que demitirá nada menos que 3 mil funcionários, o que representa cerca de 30% da força de trabalho da usina. Como se vê, não é à toa que o Brasil deve fechar 2016 com a segunda pior recessão entre 93 países, à frente apenas da Venezuela, de acordo com projeções de economistas consultados pela agência de notícias “Bloomberg”, em um grupo que ainda conta, entre outros, com Grécia, Rússia, Equador e Argentina.


Sem qualquer expectativa de recuperação no médio prazo, com um governo que já não governa mais e só se preocupa em evitar o impeachment, é cada vez mais difícil imaginar que a presidente da República terá força política e respaldo da sociedade para concluir o mandato. A única saída para o Brasil sair do buraco e retomar o caminho do crescimento é um novo governo, um novo comando. Em colapso, a economia do país não suporta mais a incompetência de Dilma, o desmantelo do PT e a herança maldita de Lula.

-------------------

Roberto Freire, deputado federal por S. Paulo, presidente nacional do PPS