Senado foi pego de surpresa diz Renan sobre prisão

25/11/2015 12:42

Senado foi pego de surpresa”, diz Renan sobre prisão de líder do governo

Por Marcel Frota - iG Brasília 


Também investigado na Operação Lava Jato, presidente da Casa não comenta se tem temor de que tenha mesmo destino

O presidente do Senado Federal, Renan Calheiros: "Decisão será tomada por maioria da Casa"

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou no início da tarde desta quarta-feira (25) que recebeu com surpresa a prisão do líder do governo na Casa, Delcídio Amaral (PT-MS).

Líder do  foi detido na manhã desta quarta-feira em um hotel em Brasília. Renan afirmou que foi informado da ação da Polícia Federal nas primeiras horas da manhã pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. O Senado decidirá, de acordo com a Constituição Federal, sobre a revogação ou não da prisão do líder do governo.

Pegou de surpresa porque não havia sequer investigação formal contra o senador Delcídio Amaral, mas nós ainda não temos as informações todas das investigações. Vamos aguardá-las e em seguida vamos ouvir os líderes e a Mesa do Senado Federal e decidir o que fazer”, disse o presidente do Senado. “Vamos aguardar que o STF manda as info para o senado e o senado por sua maioria decidira de acordo com sua necessidade”, acrescentou Renan.

Embora o prazo para que o Supremo Tribunal Federal envie ao Senado as informações sobre a prisão de Delcídio seja de 24 horas, Renan afirmou que o STF pretende antecipar o envio desse material para que os senadores possam apreciá-lo. “Acho que isso é muito bom. Vamos aguardar as informações e o Senado, por sua maioria, é competência do Senado, vai decidir o que fazer”, afirmou Renan.

Renan evitou se aprofundar sobre o caso e até sobre quaisquer tendências políticas a respeito da votação do Senado relacionada à prisão de Delcídio. Ao Senado caberá, de acordo com a Constituição Federal, a decisão sobre a revogação ou não da prisão do líder do governo. “Precisamos conhecer as informações e a caracterização da prisão. Se houve flagrante, se não houve. O que na verdade ensejou mesmo a prisão. Se as provas são legais. Mas essa decisão não será tomada por mim, ela será tomada pela maioria do Senado Federal”.

O presidente do Senado não respondeu se ficou ou não com medo de ser preso também com o precedente aberto a partir da prisão de um senador no exercício do mandato. Renan foi citado pelo ex-diretor da abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa. Em depoimento ao juiz Sergio Moro, Costa afirmou que Renan teria um representante que negociou com ele o suposto pagamento de propinas.