Sofrimento humano deve unir os cristãos

28/06/2016 15:57
Papa: sofrimento humano deve unir os cristãos
Rádio Vaticana
 
Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco recebeu na manhã desta terça-feira (28/06), no Vaticano, uma delegação do Patriarcado Ecumênico de Constantinopla, que veio a Roma para participar da festa dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo, em 29 de junho, padroeiros da cidade.
 
Trata-se de uma cortesia entre o Patriarcado e a Santa Sé que se repete todos os anos por ocasião dos santos padroeiros. A Santa Sé envia uma representação à sede do Patriarcado Ecumênico, em Istambul, para a festa de Santo André, em 30 de novembro.
Em seu discurso, o Santo Padre destacou que a festa deste ano será marcada pela misericórdia, no âmbito do Jubileu que a Igreja está vivendo. Os Santos Pedro e Paulo fizeram ambos a experiência primeiro do pecado, depois da potência da misericórdia divina. O primeiro renegando seu Mestre, e o segundo perseguindo a Igreja.
 
Renovar
 
“Celebrando a festa dos Apóstolos, renovamos a memória daquela experiência de perdão e de graça que une todos os fiéis em Cristo”, disse o Papa. Não obstante as diferenças entre a Igreja de Roma e a de Constantinopla no que diz respeito à liturgia, às disciplinas eclesiásticas e ao modo de formular a verdade revelada, na base das duas Igrejas está a mesma experiência do amor infinito de Deus pela nossa pequenez e fragilidade.
 
“Reconhecer que a experiência da misericórdia de Deus é o vínculo que nos une, implica que devemos fazer com que a misericórdia se torne sempre mais o critério das nossas relações recíprocas”, afirmou Francisco, pedindo que sentimentos como rivalidade, desconfiança e rancor sejam superados. “A própria misericórdia nos liberta do peso de um passado marcado por conflitos e nos permite de nos abrir ao futuro rumo ao qual o Espírito Santo nos guia”, acrescentou.
 
Diálogo
 
Como passos positivos, o Pontífice citou o diálogo teológico entre a Igreja Católica e a Igreja Ortodoxa e, de modo especial, a visita realizada em abril passado à ilha grega de Lesbos, na companhia do Patriarca Bartolomeu e do Arcebispo de Atenas e de toda a Grécia, Ieronymo II.
 
“Olhar o desespero no rosto de homens, mulheres e crianças que não sabem seu destino, ouvir impotentes o relato de suas desventuras e nos deter em oração às margens daquele mar que devorou a vida de tantos seres humanos inocentes foi uma experiência muito comovente, que confirmou o quanto ainda há por fazer para garantir dignidade e justiça a tantos irmãos e irmãs”, disse o Papa Francisco.
 
Para ele, católicos e ortodoxos estão sempre mais se conscientizando da responsabilidade comum diante de quem se encontra na necessidade. “Assumir juntos esta responsabilidade é um dever que toca a credibilidade própria do nosso ser cristão. Por isso, encorajo toda forma de colaboração entre católicos e ortodoxos em atividades concretas a serviço da humanidade sofredora.”
 
O Pontífice citou ainda a recente realização em Creta, na Grécia, do Concílio Pan-ortodoxo, fazendo votos de que deste evento possam germinar frutos abundantes para o bem da Igreja. E concluiu seu discurso garantindo seu respeito e amor fraterno pelo Patriarcado Ecumênico e pedindo orações por si e por seu ministério.
 
 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!