Somos chamados a fazer escolhas proféticas

03/02/2016 15:14

Papa a religiosos: somos chamados a fazer escolhas proféticas e corajosas

Rádio Vaticana

Cidade do Vaticano (RV) - “Os consagrados e as consagradas são chamados a serem sinal concreto e profético da proximidade de Deus”: foi o que disse o Papa Francisco na santa missa por ele presidida na Basílica de São Pedro, na tarde desta terça-feira, 2 de fevereiro, festa da Apresentação do Senhor e XX Dia Mundial da Vida Consagrada.

Coincidindo com o Dia da Vida Consagrada, a celebração, com a participação de religiosos e religiosas, concluiu o Ano a eles dedicado. O Ano da Vida Consagrada teve início em 30 de novembro de 2014.

Todas as formas de vida consagrada, cada uma segundo as suas características, são chamadas a estarem em estado permanente de missão, compartilhando «as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens de hoje, dos pobres, sobretudo, e de todos os que sofrem»”, disse o Santo Padre na homilia da celebração.

Francisco havia iniciado sua reflexão evocando o episódio da apresentação do Senhor. Este Menino nos trouxe a misericórdia e a ternura de Deus:

Jesus é a face da Misericórdia do Pai. Este é o ícone que o Evangelho nos oferece no final do Ano da Vida Consagrada, um ano vivido com tanto entusiasmo. Este, como um rio, agora conflui no mar da misericórdia, neste imenso mistério de amor que estamos vivendo com o Jubileu extraordinário.”

O Pontífice lembrou que esta festa, sobretudo no Oriente, é chamada festa do encontro. Em seguida, atendo-se à página do Evangelho pouco antes proclamado, evocou vários encontros nela contida, citando os do velho Simeão e de Ana, que representam a espera e a profecia. “Jesus é a novidade e a realização: Ele se apresenta a nós como a perene surpresa de Deus; neste Menino nascido para todos se encontram o passado, feito de memória e de promessa, e o futuro, repleto de esperança”, acrescentou o Papa.

Dirigindo-se propriamente aos religiosos e religiosas, Francisco disse que podemos ver nisso o início da vida consagrada:

Os consagrados e as consagradas são chamados, antes de tudo, a serem homens e mulheres do encontro. A vocação, de fato, não se inspira num nosso projeto pensado de “maneira estratégica”, mas numa graça do Senhor que nos alcança, através de um encontro que transforma a vida. Quem realmente encontra Jesus não pode permanecer como antes. Ele é a novidade que faz novas todas as coisas.”

O Papa lembrou que Jesus não nos salvou “de fora”, não permaneceu fora do nosso drama, mas quis compartilhar a nossa vida.

Os consagrados e as consagradas são chamados a serem sinal concreto e profético desta proximidade de Deus, desta partilha com a condição de fragilidade, de pecado e de feridas do homem do nosso tempo.”

Após ter advertido os religiosos para o perigo da rotina na vida espiritual, chamou a atenção também para o risco da cristalização dos carismas numa doutrina abstrata. E referindo-se propriamente aos fundadores das Ordens, Congregações religiosas e Institutos de vida consagrada, o Papa ressaltou:

Os nossos fundadores foram movidos pelo Espírito e não tiveram medo de sujar as mãos com a vida cotidiana, com os problemas das pessoas, percorrendo com coragem as periferias geográficas e existenciais. Não se detiveram diante dos obstáculos e das incompreensões dos outros, porque mantiveram no coração a admiração pelo encontro com Cristo. Não domesticaram a graça do Evangelho; tiveram sempre no coração uma inquietação saudável pelo Senhor, um desejo ardente de levá-lo aos outros, como fizeram  Maria e José no templo. Também nós somos chamados hoje a realizar escolhas proféticas e corajosas.”

Ao término da celebração o Santo Padre saiu da Basílica Vaticana e foi até o patamar para saudar os religiosos e religiosas que, numerosos, acompanharam a celebração dos telões permanentes presentes na Praça São Pedro, aos quais agradeceu pela participação.

Obrigado por concluírem juntos este Ano da Vida Consagrada. Sigam adiante! Cada um de nós tem um lugar, um trabalho na Igreja. Por favor, não se esqueçam da primeira vocação, do primeiro chamado. Recordem! E com aquele amor com o qual foram chamados, hoje o Senhor continua chamando vocês.”

O cerne da vida consagrada é a oração: rezar”, recordou Francisco. E assim envelhecer, mas envelhecer como o vinho bom! “Aqueles que vierem depois de nós possam receber a herança que deixaremos para eles”, concluiu o Santo Padre.