Temer defenderá uso de 'remédios amargos' para reajustar a economia

17/11/2015 07:34

Daniela Lima, Gustavo Uribe – Folha de S. Paulo

 

BRASÍLIA - O vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), vai usar o congresso promovido pelo centro de estudos de seu partido nesta terça-feira (17) para fazer um novo apelo pela reunificação do país em nome da superação da crise econômica.

 

Na última vez em que defendeu o engajamento das diversas forças políticas na superação da crise, o peemedebista incomodou aliados de Dilma Rousseff, que viram no gesto dele uma tentativa de se colocar como o agente capaz de promover essa união.

 

Segundo aliados, Temer vai reconhecer a gravidade da situação das contas públicas, defenderá a adoção de remédios amargos para reajustar a economia e endossará as propostas feitas no programa de governo lançado em outubro pela Fundação Ulysses Guimarães.

 

A mensagem do vice seria de que, no documento, o PMDB aponta um rumo para a superação da crise. O documento, intitulado "Ponte para o futuro" será usado como escudo por integrantes da sigla que têm criticado a política econômica adotada na gestão Dilma. "Ele é a nossa bíblia", afirmou o ex-ministro Moreira Franco, presidente da fundação e organizador do encontro.

 

A realização do evento e o conteúdo dos discursos preocupam a equipe de Dilma no Palácio do Planalto, que vê risco de o congresso do PMDB se transformar em palco de críticas ao governo.

 

Para diminuir o mal-estar, Temer fez questão nesta segunda-feira (16) de, em reunião da coordenação política do governo, ressaltar que o encontro não tem poder deliberativo e que embora seja defendida abertamente por setores de sua sigla, a proposta de ruptura com o PT é defendida por uma minoria.

 

Ele ressaltou, contudo, que o PMDB, assim como o PT, precisa defender suas bandeiras políticas e seguir seu percurso partidário. "Esse congresso não é deliberativo, é um espaço para discussões. As decisões só serão tomadas em março [mês da convenção nacional da legenda]", ponderou o senador Romero Jucá (PMDB-RR).


Apesar das falas contemporizadoras, o PMDB vai tentar dar peso institucional ao evento levando figuras tradicionais no partido, como o ex-presidente José Sarney. Outros nomes da sigla deverão aparecer, como o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Submerso em uma crise, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, disse a aliados que também marcaria presença no evento. A decisão preocupou aliados do deputado. Neste momento, dizem, cercado por acusações, Cunha não deveria se expor.

 

O Planalto vai acompanhar o evento e pretende atuar junto à ala governista do PMDB caso a defesa pelo desembarque da administração federal domine o evento. Petistas defendem que Dilma dê mais espaço ao vice no governo para evitar o risco de desembarque.

 

Peemedebistas mais alinhados ao governo fizeram chegar a Temer críticas ao programa de governo feito pelo PMDB. Nos últimos dias, o vice se reuniu com aliados para conter os críticos e evitar um bombardeio à agenda.

 

No script dos aliados do vice, além da construção de um discurso que apresente Temer como alternativa segura caso Dilma não conclua o mandato, está a organização de uma agenda de viagens pelo país. O objetivo é tornar Temer conhecido e aumentar sua capilaridade junto a lideranças regionais.


 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!