Temer quer ser o novo Itamar

03/09/2015 14:10

Por Rogério Gentile - Temer quer ser o novo Itamar

SÃO PAULO - Dilma Rousseff precisa começar a governar neste segundo mandato, sob o risco de em breve não ter mais condições políticas de o fazer, se é que ainda tem.

Não é à toa que um empresário do porte de Abílio Diniz diz publicamente que "o Brasil precisa trancar FHC, Lula e Temer numa sala para resolver a crise política" e deixa a atual mandatária do lado de fora.

Os seus últimos atos foram de um amadorismo quase que obsceno, inimagináveis para uma presidente e para um partido que estão há tanto tempo no poder.

Primeiro, Dilma anunciou uma reforma ministerial sem definir quais pastas vão sumir e, principalmente, como ficará a configuração de forças na Esplanada. Simplesmente jogou a informação no ar e tchau, agravando um clima que há tempos já é de pega pra capar na base aliada.

Depois, lançou uma CPMF sem combinar com ninguém, como se fosse possível aprovar uma medida impopular desse tipo apenas por vontade pessoal. Com 71% de rejeição na opinião pública, Dilma teve de recuar em três dias. Em 1996, para comparação, o tributo foi criado em meio a uma grande batalha no Congresso por um governo FHC que tinha, à época, reprovação de apenas 25%, e contava com o empenho e o prestígio de Adib Jatene.

Por fim, sem a CPMF e sem saber como fazer para fechar as contas, Dilma tentou transferir o problema do Orçamento para o Congresso. Resolvam aí esse pepino, disse, na prática, para Eduardo Cunha e companhia, aumentando ainda mais a desconfiança sobre a capacidade deste governo de conduzir a economia brasileira. Ouviu um sonoro não, claro.

O dado novo é que, enquanto Dilma abusa do direito de errar, os profissionais do PMDB, que há décadas alinham-se a todo e a qualquer governo, não estão lá mais para ajudá-la. A bem da verdade, começaram a jogar contra, pois Temer convenceu-se de que há uma grande chance de virar um novo Itamar Franco.