The Power of North Korea’s Cyberthreat

22/10/2017 14:28
O poder da Cyberthreat da Coréia do Norte - EDITORIAL
 
O inquérito de refrigeração do cyberpower da Coréia do Norte no The Times, descrevendo um programa sofisticado não só de armas de guerra, mas também de roubo, chantagem, assédio e assentamento, é chocante, mas não é surpreendente. Kim Jong-un é implacável em sua busca por poder e sobrevivência, e hackear, mesmo mais do que a energia nuclear que a Coréia do Norte está se desenvolvendo rapidamente, é a arma perfeita para um estado pequeno, empobrecido, isolado e totalitário.
 
The Power of North Korea’s Cyberthreat
 
By THE EDITORIAL BOARD - Nytimes
Ed Jones/Agence France-Presse — Getty Images
Ed Jones/Agence France-Presse — Getty Images
 
The chilling survey of North Korea’s cyberpower in The Times, describing a sophisticated program of not only weapons of war but also of theft, blackmail, harassment and score-settling, is shocking, but not surprising. Kim Jong-un is ruthless in his quest for power and survival, and hacking, even more than the nuclear power North Korea is rapidly developing, is the perfect weapon for a small, impoverished, isolated, totalitarian state.
 
Pyongyang’s nuclear weapons pose an enormous threat to the United States and its Asian allies. But even a megalomaniac like Mr. Kim understands that unleashing them would spell a hellish end to him and his country. Cyberweapons, by contrast, offer a degree of stealth and deniability and a broad range of uses, as David Sanger, David Kirkpatrick and Nicole Perlroth detailed in their article. North Korea has used its army of hackers for assaults as diverse as multimillion-dollar digital bank robberies, the giant WannaCry ransomware attack (based on a secret tool stolen from the National Security Agency) and attacks on movie producers and television networks to force them to cancel projects deemed hostile by North Korea.
 
Mr. Kim’s total control over his country gives him his pick of the best young brains to train as hackers; the cost is relatively low, and effective retaliation has so far proved very difficult. North Korea is already under every possible international sanction, its infrastructure is too primitive for useful cyberretaliation, and neither the United States nor South Korea would likely launch a military attack. And North Korean hackers appear to operate largely outside the country, especially in China and India.
North Korea is no pioneer in cyberpower and is hardly the first to use it. Russia has deployed it, allegedly to attack Estonia and Ukraine and to meddle in American politics; China is a major and persistent cyberspy, as is the United States, whose cyberefforts have sabotaged North Korean missile tests. Electronic warfare, surveillance, espionage, sabotage, theft and other trickery are, alas, a real and growing danger that demands ever more sophisticated defenses.
 
But North Korea represents a different sort of threat, more akin to terrorist networks, which are less susceptible to counterattacks and sanctions that might deter a conventional government. With China, the United States reached a cybersecurity agreement in 2015 that was a first step toward resolving American frustration with Chinese snooping.
 
No such agreement is likely soon with North Korea. Its hackers, however, are not beyond reach: Many are dispersed abroad, where they can be tracked and shut down.
The self-interest that prompted China to seek an agreement with the United States over cyberactivity should motivate countries where the North Koreans operate — starting with India and China — to cooperate with the Americans in combating this threat. And governments tempted to close their eyes to Pyongyang’s mischief should be reminded that they’d risk being treated as accomplices in economic crimes and as dangerous threats.
 
Tradução
 
O poder da Cyberthreat da Coréia do Norte - EDITORIAL
 
O inquérito de refrigeração do cyberpower da Coréia do Norte no The Times, descrevendo um programa sofisticado não só de armas de guerra, mas também de roubo, chantagem, assédio e assentamento, é chocante, mas não é surpreendente. Kim Jong-un é implacável em sua busca por poder e sobrevivência, e hackear, mesmo mais do que a energia nuclear que a Coréia do Norte está se desenvolvendo rapidamente, é a arma perfeita para um estado pequeno, empobrecido, isolado e totalitário.
 
As armas nucleares de Pyongyang representam uma enorme ameaça para os Estados Unidos e seus aliados asiáticos. Mas mesmo um megalómano como o Sr. Kim entende que desencadear-lhes seria um final infernal para ele e para o seu país. As Cyberweapons, em contrapartida, oferecem um grau de sigilo e negação e uma ampla gama de usos, como David Sanger, David Kirkpatrick e Nicole Perlroth detalhados em seu artigo. A Coreia do Norte usou seu exército de hackers para assaltos tão diversos quanto os roubos de banco digital multimilionário, o gigante ataque de resgate WannaCry (baseado em uma ferramenta secreta roubada da Agência Nacional de Segurança) e ataques a produtores de filmes e redes de televisão para forçá-los a cancelar projetos considerados hostis pela Coréia do Norte.
 
O controle total do Sr. Kim sobre seu país lhe dá sua escolha dos melhores cérebros jovens para treinar como hackers; o custo é relativamente baixo, e retaliação efetiva até agora se mostrou muito difícil. A Coréia do Norte já está sob todas as sanções internacionais possíveis, sua infra-estrutura é muito primitiva para a ciberretaliação útil, e nem os Estados Unidos nem a Coréia do Sul provavelmente lançarão um ataque militar. E os hackers do norte-coreano parecem operar em grande parte do país, especialmente na China e na Índia.
A Coréia do Norte não é pioneira no cyberpower e dificilmente é a primeira a usá-la. A Rússia implantou-se, supostamente, para atacar a Estônia e a Ucrânia e se meter em política americana; A China é uma ciberespaço importante e persistente, assim como os Estados Unidos, cujos problemas foram sabotados nos testes de mísseis norte-coreanos. Guerra eletrônica, vigilância, espionagem, sabotagem, roubo e outros enganos são, infelizmente, um perigo real e crescente que exige defesas cada vez mais sofisticadas.
 
Mas a Coréia do Norte representa um tipo diferente de ameaça, mais parecida com as redes terroristas, que são menos suscetíveis a contra-ataques e sanções que podem impedir um governo convencional. Com a China, os Estados Unidos chegaram a um acordo de segurança cibernética em 2015, que foi um primeiro passo para resolver a frustração americana com o espionagem chinês.
 
Não existe um acordo desse tipo com a Coréia do Norte. Seus hackers, no entanto, não estão além do alcance: muitos estão dispersos no exterior, onde podem ser rastreados e fechados.
 
O interesse próprio que levou a China a buscar um acordo com os Estados Unidos em relação à ciberatividade deve motivar os países onde os norte-coreanos operam - começando com a Índia e a China - a cooperar com os americanos na luta contra essa ameaça. E os governos tentados a fechar os olhos para o prejuízo de Pyongyang devem ser lembrados de que eles arriscaram ser tratados como cúmplices em crimes econômicos e como perigosas ameaças.
 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!