The Trump Administration Is Making War

18/11/2017 22:57
The Trump Administration Is Making War on Diplomacy
American diplomats in recent decades have helped bring about an Israel-Egypt peace treaty, the peaceful fall of the Soviet Union, the unification of Germany, the end of the Bosnia war and a deal to curb Iran’s nuclear program. That record testifies to the power and influence of America as well as the skill of secretaries of state and other diplomats who worked to advance international stability and the national interest.
 
That isn’t the way the Trump administration approaches the world. Rex Tillerson is widely seen as ill suited to diplomatic leadership and determined to dismantle his own department, which has been central to America’s national security since Thomas Jefferson ran the place. The department is being undermined by budget cuts, a failure to fill top jobs, an erratic president and a secretary who has called reorganization, rather than policy, his most important priority. Given the aggressive behavior of North Korea, Russia and China in a world that seems shakier by the day, the timing could hardly be worse.
 
Meanwhile, the Pentagon is going gangbusters. The State Department’s budget has been targeted with a 31 percent cut, to $37.6 billion, but Congress is moving to raise the Pentagon’s spending level roughly 15 percent from the $549 billion allowed under the Budget Control Act. Aircraft carriers and tanks are obviously much more expensive than diplomatic pouches and airline tickets. Even so, such lopsided budget priorities could favor military solutions over diplomacy and development.
 
In recent weeks, alarming new data from the American Foreign Service Association, the union representing diplomats, shows just how far Mr. Tillerson has taken things. Since January, more than 100 senior foreign service officers have left the department, depleting the ranks of career ambassadors, the diplomatic equivalent of four-star generals, by 60 percent, while the number of career ministers (akin to three-star generals) is down 42 percent. The hiring of new foreign service officers has slowed almost to a halt, and the number of young people seeking to take the foreign service exam has fallen to less than half the 17,000 who registered two years ago.
 
Mr. Tillerson has asked some senior officials to do clerical tasks and left many ambassadorships unfilled. Stephen Akard, an associate of Vice President Mike Pence with only brief experience at the State Department, was nominated director general of the foreign service, a position that oversees diplomatic appointments and is usually reserved for a senior career diplomat with the power to block political interference.
 
All in all, Mr. Tillerson is disrupting the smooth development of career State Department leaders from entry level to the senior ranks, which will create shortages of experienced diplomats down the road. Not surprisingly, morale has plummeted. By contrast, there have been no comparable recent moves by the military services to suspend the commissioning of officers, and even as the diplomatic corps erodes, Congress just approved a Pentagon budget for next year that would boost troops by 20,000.
 
Mr. Tillerson is no doubt correct that the State Department, like any bureaucracy, could benefit from scrutiny and thoughtful reform. For that reason, many people there welcomed Mr. Tillerson, with his long experience as chief executive of Exxon Mobil, as someone who could modernize the place and introduce efficiencies. He has already enacted one broadly popular reform by shrinking the number of special envoys assigned to special diplomatic tasks.
 
But over all, Mr. Tillerson has shown that business experience isn’t easily transferable to government, where the driver is not the bottom line but the national interest. An engineer, he seems obsessed with management minutiae and metrics; last week, for instance, his deputy secretary spent part of a senior staff meeting telling his underlings how to write effective memos to the boss. Mr. Tillerson seems no less obsessed with control, recently telling senior officials that henceforth his office, not they, would issue the boilerplate statements recognizing this or that country’s national day.
 
Critics faulted James Baker for relying too heavily on a small coterie of aides when he served as President George H. W. Bush’s secretary of state. But those aides all had previous government experience, and Mr. Baker eventually came to integrate career diplomats into his decision-making team. For the most part, Mr. Tillerson’s close aides have no such experience, and the professional diplomats who should be part of his team feel alienated and disrespected.
 
What this means, in practice, is an incoherent policy toward China and North Korea, and lesser failures elsewhere. There is still no American ambassador in South Korea, thus weakening the ability to develop a diplomatic solution to the North Korean nuclear crisis. There is no sign the administration has a plan for dealing with Syria, now that the Islamic State has been degraded, leaving Russia and Iran in commanding roles.
 
Exactly what’s behind this wholesale downgrading of the department is unclear. Mr. Trump seems to have little love for professional diplomats, 1,000 of whom formally protested the president’s Muslim travel ban in January. Policy shifts play a role, too. When Mr. Tillerson made clear that human rights concerns would be subordinated, the office handling those issues began to shrink.
 
The near-term hope of arresting or reversing this slide lies with Congress. More lawmakers are raising their voices, warning about the dangers to national security and demanding answers. In a letter to Mr. Tillerson on Wednesday, Senators John McCain, Republican of Arizona, and Jeanne Shaheen, Democrat of New Hampshire, expressed alarm over the department’s “questionable management practices”; “declining morale, recruitment and retention”; and inexperienced leadership. “America’s diplomatic power is being weakened internally as complex global crises are growing externally,” they said.
 
Maybe Mr. Tillerson will get every diplomat to write perfectly formatted memos and achieve his targeted staff reductions. When it comes time to judge his tenure, however, historians will care only about this: What did he do to forestall war with North Korea, manage the rise of China, check Russia’s efforts to undermine democracy, lay the groundwork for postwar stability in Syria and Iraq, and protect America’s international standing?
 
A Administração Trump está fazendo guerra à diplomacia
Resultado de imagem para logomarca oficial do ny times
Os diplomatas americanos nas últimas décadas ajudaram a trazer um tratado de paz entre Israel e Egito, a queda pacífica da União Soviética, a unificação da Alemanha, o fim da guerra da Bósnia e um acordo para conter o programa nuclear do Irã. Esse registro atesta o poder e a influência da América, bem como a habilidade dos secretários de estado e outros diplomatas que trabalharam para promover a estabilidade internacional e o interesse nacional.
 
Essa não é a maneira como a administração Trump se aproxima do mundo. Rex Tillerson é amplamente visto como inadequado para a liderança diplomática e determinado a desmantelar seu próprio departamento, que tem sido fundamental para a segurança nacional da América desde que Thomas Jefferson ocupou o lugar. O departamento está sendo minado por cortes de orçamento, falta de preenchimento de empregos superiores, um presidente errático e um secretário que chamou a reorganização, e não a política, de sua prioridade mais importante. Dado o comportamento agressivo da Coréia do Norte, da Rússia e da China em um mundo que parece mais macio por dia, o tempo dificilmente poderia ser pior.
 
Enquanto isso, o Pentágono está indo gangbusters. O orçamento do Departamento de Estado foi alvo de um corte de 31 por cento, para US $ 37,6 bilhões, mas o Congresso está se movendo para elevar o nível de gastos do Pentágono cerca de 15% dos US $ 549 bilhões permitidos na Lei de Controle Orçamentário. Os transportadores de aeronaves e os tanques são, obviamente, muito mais caros do que as bolsas diplomáticas e os bilhetes de avião. Mesmo assim, tais prioridades orçamentárias desequilibradas podem favorecer soluções militares sobre diplomacia e desenvolvimento.
 
Nas últimas semanas, novos e alarmantes dados da American Foreign Service Association, o sindicato que representa diplomatas, mostram o quão longe o Sr. Tillerson tomou as coisas. Desde janeiro, mais de 100 altos funcionários do serviço externo deixaram o departamento, esgotando as fileiras dos embaixadores de carreira, o equivalente diplomático dos generais de quatro estrelas, em 60%, enquanto o número de ministros da carreira (semelhante aos generais de três estrelas) é abaixo de 42%. A contratação de novos oficiais do serviço estrangeiro desacelerou quase a uma parada e o número de jovens que procuram o exame de serviço no exterior caiu para menos da metade dos 17 mil que se registraram há dois anos.
 
O Sr. Tillerson pediu a alguns funcionários seniores que fizessem tarefas de escritório e deixaram muitas embaixadas sem preenchimento. Stephen Akard, um associado do vice-presidente Mike Pence com apenas uma breve experiência no Departamento de Estado, foi nomeado diretor-geral do serviço estrangeiro, cargo que supervisiona as nomeações diplomáticas e geralmente é reservado para um diplomata de carreira sênior com o poder de bloquear a interferência política .
 
Em suma, o Sr. Tillerson está interrompendo o bom desenvolvimento dos líderes do Departamento de Estado de carreira do nível de entrada para as filas seniores, o que criará uma falta de diplomatas experientes na estrada. Não surpreendentemente, a moral despencou. Em contraste, não houve movimentos recentes comparáveis pelos serviços militares para suspender o comissionamento de oficiais, e mesmo quando o corpo diplomático se esgota, o Congresso acaba de aprovar um orçamento do Pentágono para o próximo ano, que elevaria as tropas em 20 mil.
 
O Sr. Tillerson é, sem dúvida, correto que o Departamento de Estado, como qualquer burocracia, poderia se beneficiar do exame e da reforma pensativa. Por essa razão, muitas pessoas receberam o Sr. Tillerson, com sua longa experiência como executivo-chefe da Exxon Mobil, como alguém que poderia modernizar o local e introduzir eficiências. Ele já promulgou uma reforma amplamente popular, reduzindo o número de enviados especiais atribuídos a tarefas diplomáticas especiais.
 
Mas, sobretudo, o Sr. Tillerson mostrou que a experiência comercial não é facilmente transferível para o governo, onde o motorista não é a linha de fundo, mas o interesse nacional. Um engenheiro, ele parece obcecado com minúcias e métricas de gerenciamento; Na semana passada, por exemplo, seu vice-secretário passou parte de uma reunião de equipe sênior dizendo a seus subordinados como escrever memorandos efetivos para o chefe. O Sr. Tillerson parece não menos obcecado com o controle, recentemente dizendo aos altos funcionários que, doravante, seu escritório, e não eles, emitiria as declarações importantes que reconheçam este ou o dia nacional desse país.
 
Os críticos criticaram James Baker por confiar muito em uma pequena coterie de auxiliares quando ele serviu como secretário de estado do presidente George H. W. Bush. Mas esses ajudantes tinham experiência anterior do governo, e o Sr. Baker acabou por integrar diplomatas de carreira em sua equipe de tomada de decisão. Na maior parte, os assessores próximos do Sr. Tillerson não possuem essa experiência, e os diplomatas profissionais que devem fazer parte de sua equipe se sentem alienados e desrespeitados.
 
O que isso significa, na prática, é uma política incoerente em relação à China e à Coréia do Norte, e falhas menores em outros lugares. Ainda não existe um embaixador americano na Coréia do Sul, enfraquecendo assim a capacidade de desenvolver uma solução diplomática para a crise nuclear norte-coreana. Não há sinal de que a administração tenha um plano para lidar com Síria, agora que o Estado islâmico foi degradado, deixando a Rússia e o Irã em funções importantes. Exatamente o que está por trás desse downgrade por atacado do departamento não está claro. O Sr. Trump parece ter pouco amor por diplomatas profissionais, dos quais 1.000 protestaram formalmente a proibição de viajar muçulmana do presidente em janeiro. Mudanças na política também desempenham um papel. Quando o Sr. Tillerson deixou claro que as preocupações em matéria de direitos humanos seriam subordinadas, o escritório que lidava com essas questões começou a encolher. 
 
COMPROMISSO: a esperança de curto prazo de travar ou reverter esse slide está no Congresso. Mais legisladores estão levantando as vozes, alertando sobre os perigos para a segurança nacional e respostas exigentes. Em uma carta ao Sr. Tillerson na quarta-feira, os senadores John McCain, republicano do Arizona, e Jeanne Shaheen, democrata de New Hampshire, expressaram alarme sobre as "práticas de gestão questionáveis" do departamento; "Declínio da moral, recrutamento e retenção"; e liderança inexperiente. "O poder diplomático da América está sendo enfraquecido internamente à medida que crises globais complexas estão crescendo externamente", disseram. 
 
Talvez o Sr. Tillerson tenha todos os diplomatas para escrever memorandos perfeitamente formatados e alcançar suas reduções específicas. Quando chega a hora de julgar seu mandato, os historiadores só se preocupam com isso: o que ele fez para impedir a guerra com a Coréia do Norte, gerenciar o aumento da China, verificar os esforços da Rússia para minar a democracia, estabelecer as bases para a estabilidade pós-guerra na Síria e o Iraque, e protegem a posição internacional da América?
 
 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!