Usiminas demite 4 mil em São Paulo. CSN para alto-forno

19/01/2016 14:23

Paralisação em Volta Redonda será de ao menos 90 dias

João Sorima Neto - O Globo

 

-SÃO PAULO- Em mais um sinal da crise no setor siderúrgico, a Usiminas decidiu encerrar a produção de aço na unidade de Cubatão, em São Paulo, e cerca de 2 mil funcionários próprios serão demitidos, como antecipou O GLOBO. Segundo o sindicato local, outros 2 mil terceirizados serão demitidos. De acordo com a empresa, estão sendo oferecidos benefícios aos empregados que serão demitidos, entre eles a extensão de três a seis meses do plano de saúde e do plano odontológico, além de prioridade na contratação quando os equipamentos forem reativados. Ontem, a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) decidiu paralisar por ao menos 90 dias a produção do alto-forno 2 da usina de Volta Redonda, no Sul Fluminense. Fonte próxima à empresa informou que serão feitos reparos e a manutenção das instalações.

 

Desde 2015, as siderúrgicas reduziram a produção de aço com a fraca demanda interna. Globalmente, há excesso de oferta e demanda mais fraca. Em Cubatão, o sindicato começou a se mobilizar para evitar o fechamento de vagas. Ontem, ele se reuniu com advogados para definir medidas jurídicas cabíveis.

 

Nas reuniões com a Usiminas, fomos informados de que a intenção é paralisar a produção em 2016 e 2017. Na nossa avaliação, essa decisão não será temporária. O equipamento não vai aguentar ficar parado por dois anos — diz Florêncio Resende de Sá, presidente do Sindicato dos Siderúrgicos e Metalúrgicos da Baixada Santista.

 

Vendas em queda

Segundo Felipe Beraldi, economista da consultoria Tendências, setores que demandam aço no país (indústria automobilística, construção civil e bens de capital) tiveram desempenho ruim em 2015, com perspectivas negativas para este ano e o próximo:

 

Há uma crise forte no mercado interno pelo lado da demanda. E, globalmente, há maior oferta de aço, o que derruba o preço e limita a capacidade de exportação das companhias.

 

Em Volta Redonda, a paralisação do alto-forno 2 começa no domingo. Ele é responsável pela produção de 1,8 milhão de toneladas/ano, ou 30% da produção da unidade. Procurada, a CSN não comentou a informação. O Sindicato dos Metalúrgicos do Sul Fluminense disse que não foi comunicado oficialmente e que a empresa poderia demitir 3 mil funcionários com a suspensão da produção no alto-forno 2. Este mês, a companhia já fez 700 demissões, mas na semana passada se comprometeu a não fechar mais vagas. Ontem, foram feitas homologações de 200 trabalhadores demitidos, e as demais acontecem nesta semana.

 

Em 2015, as vendas de produtos siderúrgicos no mercado interno caíram 16,1%, somando 18,2 milhões de toneladas, segundo o Instituto Aço Brasil. As vendas ao exterior cresceram 40,3% em volume, com 13,7 milhões de toneladas. A receita foi de US$ 6,6 bilhões, 3,3% menor do que no ano anterior em razão da queda de preços. A produção brasileira de aço bruto caiu 1,9%, e a de laminados recuou 9,2%.