Ver para crer - CELSO MING

22/12/2015 09:43

O ESTADO DE SÃO PAULO 

 

O Brasil não aguenta mais papo sem compromisso real com o ajuste, especialmente quando provém de quem assinou o projeto de arquitetura do programa econômico do primeiro quadriênio Dilma

Aos analistas do mercado financeiro, o novo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, repetiu o discurso de sexta-feira, alongado nas entrevistas à imprensa durante o último fim de semana:

O objetivo - disse ele - é garantir prioridade ao ajuste, sem o qual não há crescimento econômico sustentável, retomada do emprego nem controle da inflação. E há o compromisso com as reformas e com a abertura aos investimentos em infraestrutura. Falação por falação é tão ortodoxa quanto a do predecessor Joaquim Levy. E, no entanto, não é a mesma coisa.

A diferença é a de que o Brasil não aguenta mais papo sem compromisso real com o ajuste, especialmente quando provém de quem assinou o projeto de arquitetura do programa econômico do primeiro quadriênio Dilma: a Nova Matriz Macroeconômica, que empurrou o País para o desastre.

E foi também Barbosa que percorreu o Brasil na cruzada pela justificativa das pedaladas fiscais, as mesmas que o Tribunal de Contas da União considerou crime de responsabilidade, matéria que fundamentou o pedido de impeachment.

Tão consolidado é o perfil do novo ministro, de leniência com a desordem das contas públicas, que ninguém acredita nessa austeridade sustentada apenas no gogó. As esquerdas, inspiradas por uma versão jurássica do keynesianismo, vêm defendendo a insistência na gastança, no tombo dos juros e na ampliação do crédito subsidiado, como recurso para a retomada. Entendem que Barbosa tem mesmo que sustentar esse discurso engana-trouxa para disfarçar a abertura das torneiras. E os que pretendem uma política responsável destinada a colocar a casa em ordem não acreditam em lenga-lenga. Querem primeiro ver os resultados, para depois crer - se for o caso.

No primeiro dia útil após a troca de ministros, a resposta do mercado refletiu profundo ceticismo: o dólar, outra vez acima dos R$ 4 , avançou mais 1,39%; o Ibovespa levou um tombo de 1,62%; os juros futuros para abril saltaram de 14,67% na sexta-feira para 14,72%; e o Credit Default Swap (CDS), o jeito como o mercado mede o risco de calote dos títulos do Brasil, subiu mais 4,3%.

Mas nem tudo é notícia ruim. Enquanto na área fiscal empilham-se incertezas, na área externa algum progresso já se conseguiu, como mostraram ontem os novos números do Balanço de Pagamentos, as contas que o Brasil mantém com o exterior (veja o Confira).

O déficit em Conta Corrente, que mostra o fluxo de moeda estrangeira no comércio de mercadorias, serviços e rendas (fica de fora a entrada e saída de capitais), foi de US$ 104,0 bilhões em 2014, deve cair a US$ 62,0 bilhões em 2015 e está projetado a US$ 41 bilhões em 2016. É uma queda de 4,3% do PIB de 2014 para 2,7% do PIB em 2016. 

Neste ano, apesar do miserê da economia, o déficit será coberto quase totalmente só com a entrada de investimentos estrangeiros. Isso significa que seria preciso uma catástrofe adicional para que houvesse uma forte fuga de dólares e esvaziamento das reservas externas.

O problema, no entanto, está concentrado nas contas públicas internas, que até o ano passado foram tratadas com truques contábeis, pedaladas e aumento da dívida bruta, parte dela não contabilizada, mesmo tendo sido acusada nos balanços dos bancos. Nesse capítulo o tratamento continua, de longe, insuficiente. E isso preocupa.

CONFIRA:

 

Além dos resultados das contas externas de novembro, o Banco Central divulgou, nesta segunda-feira, as projeções para 2016. A tabela acima mostra a evolução das principais rubricas em 2015 e 2016.

Câmbio e recessão

Dois foram os principais fatores de sucesso no ajuste das contas externas: a desvalorização cambial (alta do dólar de 51% em 2015) e a recessão, que derrubou o consumo interno e, com ele, as principais despesas em dólares com mercadorias e serviços. Como esses fatores continuarão, o ajuste deve aprofundar-se em 2016.


 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!