Aliança DEM: Se depender de mim estaremos juntos

13/07/2018 16:39
Alckmin defende aliança com DEM: ‘Se depender de mim, estaremos juntos’
Disse que pesquisas terão reviravolta - Poder 360
 
O pré-candidato à Presidência da República Geraldo Alckmin (PSDB) está trabalhando para compor uma aliança com o Democratas. O partido é comandado pelo prefeito de Salvador (BA), ACM Neto, e tem flertado com a candidatura de Ciro Gomes (PDT) ao Planalto.
 
“Se depender de mim, estaremos juntos. E já estamos em muito Estados. Estamos apoiando os Democratas na Bahia, no Pará, no Amapá”, disse Alckmin em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, publicada nesta 6ª feira (13.jul.2018).
 
Segundo o tucano, há 5 partidos encaminhados para uma aliança eleitoral com o PSDB. Com essa aliança, segundo ele, a campanha terá cerca de 20% do tempo de rádio e TV. “Eu acho que a eleição vai efetivamente começar com o rádio e televisão, que é dia 31 de agosto. Vai ser uma campanha curta, de 1 mês”, afirmou.
 
Quando questionado sobre o baixo desempenho nas pesquisas eleitorais, Alckmin disse que este pleito será diferente.
 
“Nunca houve uma campanha com tanta fragmentação de pré-candidatos. Há também uma desesperança com a política. Hoje, mais de 60% dos eleitores não têm candidato definido. O que é bom. Mostra que o eleitor estará mais amadurecido”, disse
 
Alckmin disse ainda que as sondagens de intenção de voto vão “virar de ponta cabeça”. De acordo com a última pesquisa do DataPoder360, divulgada em 4 de julho, o tucano pontua apenas 8% de intenção de votos, atrás de seus principais adversários.
 
No último dia 5 o tucano jantou com líderes do chamado Centrão, grupo chamado por partidos como o DEM, Solidariedade, PP e PRB. Não convenceu os participantes sobre a viabilidade de sua candidatura.
 
REFORMAS
 
Alckmin disse que, se eleito, fará diversas reformas. “Faremos a reforma política, com voto distrital ou distrital misto, com cláusula de desempenho mais forte. Também a reforma tributária, para simplificar o modelo, a reforma da Previdência e a reforma do Estado. Vamos enxugar, reduzir”, disse
 
“É o 6º ano de déficit primário, com a dívida pública do governo passando os R$ 5 trilhões, chegando a mais de 75% do PIB. Não é 1 quadro simples. Mas quem for eleito vai ter mais de 50 milhões de votos e a legitimidade disso é muito grande para poder implementar rapidamente as reformas”, afirmou o tucano.
 
 
 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!