Centro-direita volta ao poder no Chile com Piñera

18/12/2017 10:57
Centro-direita volta ao poder no Chile com Piñera
Ex-presidente, Sebastián Piñera vence eleições e volta a governar o Chile
 
Sylvia Colombo / Folha de S. Paulo
 
SANTIAGO - O ex-presidente de centro-direita Sebastián Piñera, 68, venceu o segundo turno da eleição presidencial chilena neste domingo (17) e assumirá seu segundo mandato em março de 2018. Como da primeira vez, em 2010, receberá o bastão das mãos de Michelle Bachelet, atual mandatária.
 
Segundo dados da contagem oficial do Servel (Serviço Eleitoral do Chile), Piñera recebeu 54,57%, contra 45,43% do centro-esquerdista Alejandro Guillier, o candidato apoiado pelo atual governo.
 
Às 19h40 locais (20h40 em Brasília), Guillier discursou admitindo a derrota. "Agradeço aos que nos apoiaram e chamo a todos a ouvir a voz das urnas para nos reorganizarmos daqui para a frente. Parabéns ao novo presidente do Chile", disse ele.
 
Assim que o resultado foi divulgado, o ruído de buzinas era ouvido nos bairros de classe média e alta de Providencia e Las Condes.
 
Mais uma vez, as pesquisas se mostraram equivocadas. No primeiro turno, haviam indicado que Piñera teria uma votação muito superior —ele conquistou 36% dos votos. Já para este domingo, sinalizavam um quadro de empate técnico, com vantagem numérica para o ex-presidente. Quando as primeiras projeções surgiram, foi possível verificar que a vitória se anunciava com uma diferença muito maior.
 
DIA DE VOTAÇÃO
 
Num domingo de altas temperaturas (por volta dos 30º C ao meio-dia) em Santiago, via-se pouca movimentação nas ruas. Dados parciais do Servel apontam para uma maior abstenção em relação ao primeiro turno, quando o comparecimento já havia sido baixo (46%).
 
O primeiro candidato a ir à urna foi Piñera. Depois de oferecer um café da manhã para sua equipe de campanha e para sua família em Las Condes, dirigiu-se ao centro de votação da escola República de Alemanha. "Quero manifestar minha grande esperança em que, depois desta eleição, apesar das diferenças, [...] alcancemos uma unidade e não nos transformemos em inimigos", disse.
 
Pouco depois, foi a vez de Guillier, que votou em Antofagasta, por onde é senador, e viajou em seguida a Santiago.
 
Já Bachelet votou cedo e instou os chilenos a fazer o mesmo (no Chile, votar não é obrigatório). "Minha única mensagem hoje é que as pessoas saiam a votar. Se há algo que nos iguala num dia como hoje, trata-se do voto. Meu chamado é para que todos participem e nos façam ouvir sua opinião."
 
Durante a votação, houve apenas um incidente que ganhou repercussão. O ex-candidato de extrema-direita e apoiador de Piñera, José Antonio Kast, estava atuando como mesário, até que uma advogada pediu que fosse retirado porque estaria "influenciando nos resultados".
 
Kast foi cercado por Carabineros entre gritos de "fora" e "fique". Ao final, retirou-se do local.
 
Os representantes da esquerdista Frente Ampla, força que ficou em terceiro lugar na eleição (com cerca de 20% dos votos no primeiro turno), reforçou que, fosse quem fosse o vencedor, passaria a fazer oposição no Congresso, com sua bancada aumentada de 3 para 20 deputados.
 
 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!