Estamos no limite para guerra nuclear diz Papa

15/01/2018 12:31
'Temos medo, estamos no limite para guerra nuclear', diz Papa
 
Francisco iniciou hoje uma viagem ao Chile e ao Peru
 
Jornal do Brasil - ANSA
 
O papa Francisco admitiu nesta segunda-feira (15) que teme uma guerra nuclear e alertou que o mundo está "no limite". "Sim, eu tenho medo. Estamos no limite. Basta um incidente qualquer para ativar o gatilho da guerra", disse o líder católico.
 
"Precisamos destruir as armas, trabalhar para o desarmamento nuclear", pediu aos jornalistas que o acompanham no voo para o Chile.
 
Francisco iniciou hoje uma viagem ao Chile e Peru. No avião da Alitalia que o leva até Santiago, o Papa distribuiu uma foto de dois irmãos vítimas do bombardeio atômico em Nagasaki, no Japão, em 1945, tirada pelo fotógrafo Joseph Roger O'Donnell.
 
"O fruto da guerra...", disse o Papa. A imagem, feita pelo fotógrafo Joseph Roger O'Donnell, já tinha sido difundida em dezembro por Francisco e retrata a mensagem que o Papa deseja passar ao mundo, de preocupação com uma Terceira Guerra Mundial. Em diversos pronunciamentos, Francisco afirmou que essa guerra já existe, mas que, ao contrário das outras, que ocorreram centralizadas na Europa, esta acontece simultaneamente, em várias partes do mundo.
Francisco iniciou hoje uma viagem ao Chile e ao Peru
"Peço que acompanhem com orações minha viagem ao Chile e ao Peru", escreveu o Papa em seu perfil oficial no Twitter nesta manhã, antes de embarcar. Em sua 22ª viagem internacional desde que assumiu o trono católico, em 2013, Francisco terá como meta promover uma mensagem de sociedade mais justa e de respeito à diversidade dos povos, além da preservação ambiental.
 
No Chile, onde ficará até quinta-feira (18), Francisco visitará a cidade de Temuco, capital da região indígena de Araucanía. A população local, mapuche, mantém um conflito ancestral com o Estado chileno pela devolução de terras. Os povos também pedem respeito à cultura, além da manutenção do idioma original. Araucanía, localizada a 670 quilômetros ao sul de Santiago, apresenta um dos mais altos índices de pobreza do país, com os povos indígenas vítimas de discriminação social. Mas a primeira parada do Papa será a capital, Santiago, onde terá um encontro ainda hoje com a presidente Michelle Bachelet no Palácio La Moneda.
 
Por fim, Francisco visitará a cidade de Iquique, a 1.530 quilômetros da capital, para celebrar uma missa em homenagem à Virgem do Carmen, padroeira do Chile. Na semana passada, porém, igrejas católicas da capital foram alvos de ataques à bomba. Ao menos três locais foram danificados, e a sede da nunciatura apostólica do Chile foi invadida por políticos da oposição, que reclamam contra o uso de dinheiro público para a visita de Francisco ao país. No Peru, onde o Papa ficará até o dia 22 de janeiro, haverá uma visita à capital, Lima, e outra à cidade de Trujillo, onde celebrará uma missa para mais de um milhão de fiéis.
 
Mas um terremoto de 7 graus atingiu o Peru neste fim de semana, deixando ao menos dois mortos e mais de 50 feridos, o que pode interferir na viagem de Francisco.
 
Outro tema também virá à tona com força durante a viagem papal: as denúncias de impunidade por crimes de pedofilia contra o movimento católico Sodalicio de Vida Cristiana, fundado por Luis Fernando Figari, e que está sob intervenção do Vaticano desde semana passada.
 
 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!