Luto na Igreja - Sacerdote assassinado no México

21/04/2018 17:31
Sacerdote assassinado no México: pesar da Conferência episcopal
Pe. Juan Miguel Contreras García
A Conferência episcopal expressou consternação e tristeza. “Lançamos um apelo urgente a construir uma cultura de paz e de reconciliação”, lê-se no documento. Trata-se do segundo sacerdote assassinado em dois dias.
 
Cidade do Vaticano
 
Mais um luto para a Igreja no México. Pe. Juan Miguel Contreras García, 33 anos, foi assassinado esta sexta-feira (20/04) ao término da celebração da Eucaristia na Paróquia São Pio de Pietrelcina, na localidade de Tlajomulco, no Estado de Jalisco. Fontes locais dão conta de que um comando invadiu a Igreja. Alguns paroquianos disseram que o sacerdote estava substituindo outro padre na celebração da missa, o qual havia recebido ameaças de morte.
 
Sacerdote 
 
Comovente testemunho
 
Num comovente testemunho, dado durante o período no qual era diácono e frequentava o Seminário de Guadalajara, Pe. Juan Miguel fala da própria vocação: “O Senhor olhou para mim com  misericórdia e me escolheu”, afirmava. “Para mim o sacerdócio significa encher o mundo de luz”, acrescentava.
 
No Estado de Jalisco, dilacerado por um narcotráfico que atinge também outras áreas do país, os cartéis da droga de Sinaloa e de Jalisco Nueva Generación disputam o território.
 
“No México os sacerdotes, jornalistas e ativistas dos direitos humanos são cada vez mais vítimas de emboscadas realizadas por grupos criminosos.”
 
Quarta-feira passada (18/04), não distante de Cidade do México, foi assassinado outro sacerdote: Pe. Rubén Alcántara Díaz, da Diocese de Izcalli. O Centro Católico de Imprensa informa que 23 sacerdotes foram mortos no México durante os seis anos de presidência de Enrique Peña Nieto.
 
Consternação e tristeza
 
A Conferência Episcopal do México expressou, num comunicado, consternação e tristeza. “Lançamos um apelo urgente a construir uma cultura de paz e de reconciliação”, lê-se no documento.
 
“Estes eventos deploráveis nos chamam todos à conversão muito mais profunda e sincera.” “Pedimos às autoridades competentes que esclareçam” esse dramático episódio e que ajam segundo justiça.
 
Depor as armas, o ódio e o rancor
 
Por fim, os bispos pedem a quem alimenta essa violência não somente que deponham as armas, mas também “o ódio, o rancor, a vingança e todos os sentimentos destrutivos”.
 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!