Planalto quer comunicação digital trabalhando

20/02/2018 18:02
Planalto quer comunicação digital trabalhando como agência publicitária
Mercado pode ter regras alteradas
 
Empresas reclamam à Secom - Por Eduardo Barreto - Poder360
 
O Palácio do Planalto cogita autorizar empresas de comunicação digital a trabalhar como agências de propaganda. Milhões de reais estão em jogo. Entidades reclamaram em consulta pública no site da Secom (Secretaria de Comunicação da Presidência).
 
A Isobar, que faz a comunicação digital do Planalto e se beneficiará caso a proposta avance, tem entre seus diretores Elsinho Mouco, o marqueteiro de longa data do presidente Michel Temer e do MDB.
 
A Secom propôs que companhias de comunicação digital passassem a fazer todo o serviço de publicidade. Atualmente, executam só a parte web.
 
Além do faturamento mudar de destino, também poderão ser alteradas condutas do mercado publicitário. Uma delas, que pode ser prejudicada, é a intermediação exclusiva de agências de publicidade fazem junto a veículos de comunicação, e por isso recebem uma taxa.
 
O marqueteiro de Temer, Elsinho Mouco, é contratado pela Isobar, que faz a comunicação digital do Planalto. O irmão de Mouco é da agência Calya Y2, que ganhou leilão de publicidade da Presidência no ano passado.
 
O governo Temer parou de divulgar valores consolidados sobre publicidade. Os levantamentos eram feitos desde 1999. O último disponível é de 2016, quando o governo federal gastou R$ 1,5 bilhão em propaganda. A cifra de 2017 é desconhecida.
 
Entidades do mercado argumentaram à Secom, em consulta pública encerrada neste mês, que só a União pode legislar sobre publicidade. A Abap (Associação Brasileira de Agências de Publicidade) afirma que a intenção do Planalto é “indevida e ilegal”. A Cncom (Confederação Nacional de Comunicação Social) diz que a proposta está “viciada de ilegalidade”.
 
O argumento do governo de que o serviço digital teria de ser diferenciado da lei atual que regulamenta a publicidade também foi criticado.
 
“Dizer o contrário seria o mesmo que considerar, por exemplo, que a profissão de advogado não se configura quando o trabalho for realizado e entregue apenas por vias virtuais (dispensando nessa hipótese registro junto à OAB), ou entender que um estelionato cometido na internet não seria crime, pois o meio utilizado foge àqueles existentes quando promulgado o Código Penal”, escreveram Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão), ANJ (Associação Nacional de Jornais), Aner (Associação Nacional de Editores de Revista) e Abta (Associação Brasileira de Televisão por Assinatura).
 
Publicitários ainda têm receio de que fique mais difícil rastrear o dinheiro investido em propaganda do governo. Nesse contexto, 1 temor é o financiamento de fake news, principalmente em ano eleitoral.
 
 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!